logotipo tvi24

Incendiário de Castro Daire estava preso em regime livre

Já tinha sido condenado pelo mesmo crime em 2005. PJ deteve um segundo suspeito de atear fogos em Viseu

Por: Redacção / PP    |   2010-08-18 12:30

A Polícia Judiciária deteve terça-feira dois homens suspeitos de terem ateado incêndios florestais, um dos quais em Castro Daire que destruiu uma área superior a 50 hectares de floresta e mato, escreve a Lusa.

Recorde-se que este fogo deflagrou no dia 11 e manteve-se activo até a passada segunda-feira.

Em comunicado divulgado, esta quarta-feira, a PJ refere que um dos detidos tem 32 anos e é o presumível autor de, «pelos menos, dois crimes de incêndio, ateados intencionalmente na zona de Castro Daire».

O arguido, pedreiro de profissão, já tem antecedentes criminais pelo mesmo tipo de crime, tendo sido detido em 2005 pela PJ, e também por furto e condução sob o efeito de álcool.

Actualmente estava a cumprir penas de prisão em regime de dias livres.

Deverá ser presente ainda esta quarta-feira a primeiro interrogatório judicial, para aplicação das medidas de coacção.

O outro suspeito, de 16 anos, foi detido pela presumível autoria de seis crimes de incêndio florestal, entre os dias 12 e 15 deste mês na freguesia de Rio de Loba, Viseu.

A PJ refere que o suspeito utilizou um isqueiro e que confessou ter «atração pelo fogo e pelo aparato proporcionado pelo combate aos incêndios». Também hoje vai ser presente ao juiz.

Partilhar
EM BAIXO: Incêndio em Castro Daire (ANDRÉ FERREIRA / LUSA)
Incêndio em Castro Daire (ANDRÉ FERREIRA / LUSA)

Medicamento falso contra o cancro em vários países
Infarmed alerta para lotes falsificados de medicamento
Despiste de camião provoca o corte da A28
Acidente provocou um ferido
Pessoas com incapacidade física vão ter coleção de roupa «funcional»
O catálogo terá linha de roupa interior e linha desportiva para ambos os sexos, bem como uma linha de pronto-a-vestir feminina
EM MANCHETE
Capitães de abril não discursam no Parlamento
Reunião da Presidente da Assembleia da República com os líderes parlamentares terminou sem consenso
«Taxar produtos nocivos será medida de saúde pública»
Portas: desagravamento de IRS ainda «nesta legislatura»