Noite de 4 de Março de 2001. A Ponte Hintze Ribeiro cede ao tempo, à erosão, e a um pilar instável. Perderam-se 59 vidas. Oito anos depois não se encontraram culpados e os familiares das vítimas prosseguiram as suas vidas. «Eles tinham ido ver as amendoeiras em flor», recorda Horácio Moreira da Associação dos Familiares das Vítimas da Tragédia de Entre-os-Rios (AFVTER).

Missa em memória das vítimas

«Não vale a pena pedir indemnização»

Hoje, quarta-feira, 4 de Março de 2009, a data não foi esquecida e 59 amendoeiras vão ser plantadas, esta tarde, em memória das vítimas. As árvores vão nascer junto ao Centro de Acolhimento Temporário (CAT) - «Crescer a cores», que a AFVTER criou. «Uma obra, construída de raiz para acolher crianças e jovens em risco», conta Horácio Moreira à TVI24. «Tínhamos que tirar qualquer coisa positiva desta tragédia».

«Crianças chegam dia nove»

«Às vezes as tragédias fazem crescer em nós um lado social e solidário, que habitualmente não temos», explica Horácio. «À época também recebemos muita solidariedade dos portugueses e esta foi uma forma de agradecer esse apoio. Criar um centro com características únicas na zona de Aveiro. É uma resposta solidária à própria sociedade que tanto nos apoiou», conclui. O espaço terá capacidade para receber 20 crianças.

O centro «Crescer a cores» abriu as suas portas à comunidade esta quarta-feira, «mas as crianças só chegam dia 9», conta Horácio Moreira. «Está tudo pronto para funcionar, estamos só a ultimar os pormenores». Aliás, o Presidente da República, Cavaco Silva, inaugurou o centro no passado dia 6 de Fevereiro.

Falta pagar as custas judiciais

Da Justiça já não faltam resposta, mas a última deixou as famílias das vítimas «indignadas». «Fomos informados que seremos notificados nos próximos dias para pagar as custas judiciais do processo civil», conta ao TVI24 Horácio Moreira.

Os familiares das vítimas já suspeitavam que isso ia acontecer e quando Cavaco Silva esteve em Fevereiro deste ano, em Oliveira do Arda, na freguesia de Raiva, abordaram a questão. «O presidente mostrou-se compreensivo e até colocou a possibilidade de abordar o tema com o ministro da Justiça. Mas, pelos vistos, vamos mesmo ser notificados», afirma.

Flores e eucaristia

Além da abertura simbólica do centro e das 59 amendoeiras, em volta do mesmo, às 18 horas será colocada uma coroa de flores junto ao monumento em memória das vítimas e às 19 horas terá lugar uma eucaristia, na freguesia de Raiva.