Dois dos oito reclusos de Castelo Branco hospitalizados há oito dias, mantêm-se internados nos cuidados intensivos do hospital local com prognóstico reservado, informou hoje o Conselho de Administração da Unidade Local de Saúde (ULS).

Em comunicado, o Conselho de Administração da ULS refere "que se mantêm internados dois doentes [reclusos] vítimas de intoxicação vindos do estabelecimento prisional de Castelo Branco".

Segundo a ULS, os dois reclusos "mantêm-se sobre suporte ventilatório, na unidade de cuidados intensivos, com prognóstico reservado" e adianta que continua sem dispor de "informações adicionais" sobre o químico envolvido na intoxicação.

No sábado, três dos oito reclusos internados no Hospital Amato Lusitano (HAL) de Castelo Branco foram transferidos para o estabelecimento prisional local, uma vez que o seu estado de saúde apresentava-se "estável" e "com boa evolução".

Outros três reclusos vítimas de intoxicação na prisão de Castelo Branco, foram transferidos durante a semana para o Hospital Prisão de Caxias.

A Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP) informou na segunda-feira que a hospitalização dos reclusos da prisão de Castelo Branco está a ser investigada pela Polícia Judiciária de Coimbra e pelo Ministério Público.

A Procuradoria-Geral da República já abriu um inquérito ao caso ligado à entrada de substâncias ilegais no Estabelecimento Prisional de Castelo Branco.