Duas meninas da freguesia de Rio de Mouro, em Sintra, estão internadas desde sexta-feira no Hospital Amadora-Sintra, com um quadro de meningite.  

Uma criança de quatro anos de um infantário de um infantário da Serra das Minas, freguesia de Rio de Mouro, deu entrada no hospital durante a madrugada de sexta, com febres altas e depois de algumas convulsões. 

As suspeitas de meningite levaram as autoridades de saúde de Sintra a pôr em marcha um plano de contingência na creche que pertence ao Centro Paroquial Rio de Mouro. 

"Passaram receitas a todas as nossas crianças e a preocupação deles era apenas que todas elas durante 24 horas tomassem aquela dosagem especifica", referiu Lídia Leal, coordenadora pedagógica da creche do Alto do Forte, do Centro Paroquial de Rio de Mouro.


A situação levou a uma corrida às farmácia da zona de Sintra. "Naquele dia foi difícil. Tivemos de ir ao hospital de Loures, porque não havia em farmácias (...), mas depois, no dia seguinte, recebemos uma mensagem do Hospital Amadora Sintra a avisar que quem não tivesse conseguido, para dirigir-se às instalações com a receita para receber o medicamento", deu ainda conta outra mãe. As autoridades de saúde canalizaram assim os casos para o hospital para que todas as crianças tivessem acesso à profilaxia preventiva. 

Apesar dos receios de alguns pais, a escola abriu normalmente esta segunda-feira. As autoridades de saúde garantem que todos os procedimentos foram cumpridos e as crianças estão medicadas por precaução, tendo recebido antibiótico entre sexta-feira e sábado. 

A coordenadora pedagógica da escola salientou à TVI, que não havia indicação sobre o "foco da infeção", mas que se tratava de um caso único.

"O que posso concluir é que só há o caso da menina, não há outras situações Disseram que não há motivo nenhum para o encerramento da instituição , nem para que haja qualquer alteração do funcionamento da escola."

A criança de quatro anos encontra-se internada nos cuidados intensivos do Hospital Amadora Sintra. 

O hospital Amadora-Sintra confirmou à TVI a existência de uma segunda menina, também daquela vila, internada com os mesmos sintomas.