Passageiros e funcionários das lojas na estação ferroviária Roma/Areeiro, em Lisboa, queixam-se da falta de condições do local, que está sem casas de banho há dois meses e enfrenta uma situação de propagação de ratos.

A trabalhar naquela estação há dez anos, Ana Brito disse à agência Lusa que já teve problemas de saúde, porque a Infraestruturas de Portugal (IP), que gere o local, fechou as casas de banho no final de 2015.

Às vezes, pedimos aos seguranças para ir à [casa de banho] deles, mas é chato, porque eles vestem-se lá e nem sempre estão aqui quando precisamos e temos de esperar. Também não queremos estar sempre a pedir. É incomodativo para ambas as partes”, afirmou.

A opção é ir a um estabelecimento comercial fora da estação “e consumir” para poder ir à casa de banho.

Quanto ao problema dos ratos, Ana Brito disse à Lusa que há três meses começaram a aparecer nos corredores e dentro das lojas vazias.

Andam mesmo aqui. Por isso, é que temos a porta fechada. Para evitar que entrem”, afirmou.

Antónia Santos frequenta aquela estação “todos os dias da semana” e lamenta a decisão da IP.

Agora, a casa de banho são os elevadores. Lamento pelas senhoras da limpeza. Às cinco da manhã, já cheira mal nos elevadores. As pessoas fazem tudo lá!”, frisou.

Além dos elevadores, os dois canteiros e a zona exterior da estação junto às casas de banho são também utilizados por algumas pessoas, disse à Lusa a gerente do café da estação, que tem também uma esplanada.

As pessoas fazem [as necessidades fisiológicas] em todo o lado. Todos os dias de manhã temos de lavar o chão da esplanada com lixívia. Além disso, somos prejudicados porque as pessoas vêm almoçar e quando se apercebem que não há casas de banho optam por ir para outro lado”, frisou.

Afirmando que o seu patrão já enviou vários e-mails para a IP, a gerente disse que “as respostas são zero”.

A IP preocupa-se é em receber rendas altas. Não fazem nada. Além das casas de banho e dos ratos que andam por aqui, há uma saída que está fechada há, pelo menos, dois meses sem qualquer aviso. Por dentro tem uma fita a impedir o acesso, que teve de ser posta pelos seguranças”, disse a responsável, acrescentando: “esta estação está uma vergonha”.

Para Marília Esperança, que trabalha naquela estação há dez anos, a opção é “beber menos água” e “aguentar o máximo”.

Questionada sobre os elevadores, confirmou que são utilizados como casa de banho e que agora “não são muito usados por causa do cheiro”.

Sobre os ratos, disse que “já encontrou muitos” nas lojas vazias e pela estação e “já chegaram a cair do teto”.

Cheguei a ver passageiros a tropeçar em ratos e a saltar para não os pisarem”, relatou, frisando que aquela é uma questão "de saúde pública".

Da parte da IP, Marília Esperança disse que “não fazem nada”, nem para abrir as casas de banho, “fechadas sem explicações”, nem para “acabar com os ratos”.

Questionada pela Lusa, a IP informou que prevê a reabertura daquelas casas de banho esta terça-feira.

A empresa adiantou que "está a implementar uma nova estratégia de exploração das instalações sanitárias existentes nas estações ferroviárias", que implica "algumas intervenções de melhoria e adequação de equipamentos, obrigando inevitavelmente ao encerramento temporário destas instalações".

Quanto ao problema dos ratos, indicou que tem "um programa de desinfestação (desratização e desbaratização) realizado através de um prestador de serviços especialista na matéria" e que a última desinfestação naquela estação foi feita a 14 de janeiro.