O número de casamentos voltou a baixar em 2013, fixando-se nas 31.998 uniões, 305 das quais entre pessoas do mesmo sexo, segundo dados do INE, que apontam também para uma diminuição do número de divórcios.

No ano passado, em relação a 2012, foram registados menos 2.425 casamentos e menos 2.938 divórcios.

Segundo os dados do INE, foram decretados, no ano passado, 22.784 divórcios, 259 dos quais de casais residentes no estrangeiro.

Do total de casamentos celebrados (31.998), 72% foram primeiros casamentos para ambos os nubentes, proporção ligeiramente inferior à de 2012 (72,9%).

Em cerca de metade (50,1%) dos casamentos, os noivos já possuíam residência anterior comum, confirmando a situação que se tem vindo a acentuar nos últimos anos (49,6% em 2012).

A proporção de casamentos exclusivamente civis, no total de casamentos celebrados entre pessoas de sexo oposto, tem também vindo a aumentar, passando de 61,5%, em 2012, para 62,9%, em 2013.

Relativamente ao casamento civil de pessoas do mesmo sexo, permitido em Portugal desde maio de 2010, o INE indica que, dos 305 realizados, 207 foram entre homens e 98 entre mulheres (216 e 108, respetivamente, em 2012).

Desde 2010 celebraram-se 1.219 casamentos homossexuais em Portugal, sendo o número de casamentos entre homens mais do dobro do que entre mulheres (821 casamentos entre pessoas do sexo masculino, face a 398 casamentos entre pessoas do sexo feminino).

Por regiões, em 2013, Lisboa continuou a apresentar o valor mais elevado de casamentos entre pessoas do mesmo sexo, seguida do Norte e do Algarve, ainda que com valores bastante inferiores, situação que se verifica desde 2010.

Do total de casamentos de pessoas de sexo oposto realizados no ano passado, 11.576 foram celebrados pelo rito católico, 19.920 foram casamentos civis e 197 segundo outros ritos religiosos.

«A tendência decrescente do número de casamentos nos últimos anos tem sido acompanhada quer pela acentuada redução do número de casamentos católicos, quer pela diminuição menos expressiva do número de casamentos só civis», refere o relatório do INE, que faz uma análise da situação demográfica do país em 2013.

Observa ainda que se mantém a tendência observada ao longo das últimas décadas de adiar a idade do casamento, situando-se, em 2013, nos 31,7 anos para os homens e 30,2 anos para as mulheres, face a 31,4 anos e 29,9 anos, respetivamente, em 2012.

Os meses de maio a setembro são os de maior intensidade da nupcialidade, face à média anual de casamentos, comparativamente com os restantes meses.

Face a 2008, em 2013 verifica-se um aumento do índice nos meses de junho, julho, setembro, outubro e dezembro, tendo sido mais significativo no mês de junho.

Nos restantes meses houve diminuição do índice face à média anual de casamentos, com particular destaque para o mês de maio, refere o INE.