O festival Andanças, em Castelo de Vide, acordou “tranquilo”, com os festivaleiros a fazer a vida “normal”, após o incêndio de quarta-feira que destruiu 422 viaturas num dos parques de estacionamento, disse uma das responsáveis da iniciativa.

“O festival está a prosseguir, as pessoas continuam calmas, a fazer a sua vida normal de festivaleiras, pois os palcos e a cantina estão a funcionar”, relatou à agência Lusa Catarina Serrazina, da organização do Andanças.

Depois do enorme incêndio que deflagrou num dos parques de estacionamento e que destruiu 422 viaturas e danificou parcialmente outras nove, a organização e as autoridades retomaram hoje de manhã a recolha de dados junto dos lesados, ao passo que o festival reiniciou as suas atividades cerca das 09:30.

“Há muitas pessoas que foram lesadas pelo incêndio e nós estamos a prestar o apoio necessário, com vários psicólogos a fazer atendimento. Estamos a acompanhar uma equipa da GNR que está a identificar as matrículas dos carros, os dados das pessoas lesadas e os valores que estavam no interior das viaturas”, disse.

Segundo Catarina Serrazina, “não há ainda” uma tomada de posição por parte da seguradora com quem a organização contratualizou o seguro do festival, uma vez que “estão ainda a ser recolhidos dados” junto dos proprietários dos veículos.

A Associação Portuguesa de Seguros deverá fazer hoje uma comunicação sobre o incêndio em Castelo de Vide, no distrito de Portalegre, depois de uma reunião realizada na quarta-feira à tarde para analisar a situação e de ter enviado representantes para o local, disse à Lusa fonte da entidade.

“Houve muitos carros que arderam que eram de artistas e voluntários e, num ambiente de solidariedade brutal com o festival, estão a continuar a exercer as suas funções e a fazer acontecer o festival”, sublinhou Catarina Serrazina.

Além de elementos da Policia Judiciária (PJ), que continuam a proceder a investigações no local, a GNR mobilizou hoje de manhã para o terreno uma equipa de investigação criminal “reforçada”, segundo disse à Lusa o oficial de relações públicas do Comando Territorial de Portalegre da GNR, tenente-coronel Carlos Belchior.

“Os trabalhos não só abrangem a continuidade da averiguação das causas do incêndio, como, principalmente, a fase de identificação de viaturas e proprietários que vai ser um trabalho exaustivo devido ao elevado número carros”, disse.

O oficial acrescentou que as causas do incêndio estão por apurar, afirmando que “ainda não há uma posição formal sobre o assunto”, embora os indícios apontem para a “inexistência de mão criminosa”.

O Andanças - Festival Internacional de Danças Populares decorre desde segunda-feira nas margens da albufeira de Póvoa e Meadas, no concelho de Castelo de Vide.

Promovida pela PédeXumbo, Associação para a Promoção da Música e Dança, a 21.ª edição do festival espera receber, até domingo, 40 mil visitantes, numa área de 28 hectares.