A Transportes de Lisboa, holding que integra a rodoviária Carris, anunciou esta quinta-feira a abertura de um inquérito para apurar as razões do acidente ocorrido na madrugada desta quinta-feira em Lisboa, no qual morreu um condutor da empresa.

“Tendo em conta as circunstâncias e gravidade desta ocorrência, a empresa procedeu de imediato, em colaboração com as autoridades competentes, à abertura de um inquérito para apuramento cabal das razões que estiveram na base do acidente, com vista a apuramento das responsabilidades”, refere a Transportes de Lisboa em comunicado.

Uma pessoa morreu e seis ficaram feridas na sequência de um acidente, pelas 04:45, com um veículo ligeiro e um autocarro na Avenida da República, junto ao cruzamento com a Avenida de Berna.

O morto é o condutor do autocarro, de 54 anos e motorista da Carris desde 1988, que foi projetado para fora da viatura devido ao embate.

No comunicado enviado à Lusa, a Transportes de Lisboa adianta estar “a prestar o acompanhamento e apoio permanentes quer às seis vítimas acidentadas, quer aos familiares do colaborador tragicamente falecido”.

O conselho de administração da holding aproveita a nota para expressar “as mais sentidas condolências à família da vítima mortal, bem como aos amigos e colegas de trabalho”.

O condutor, que abandonou o veículo ligeiro após ter chocado com o autocarro, entregou-se às autoridades.

Segundo fonte do Comando Metropolitano da PSP, o homem entregou-se na Divisão de Trânsito de Lisboa, cerca das 08:15.

A fonte não avançou mais pormenores acerca da idade do mesmo ou se este conduzia ou não sob efeito de álcool.