Paulo Lemos, testemunha de defesa de Pinto da Costa no «caso do envelope» do «Apito Dourado», afirmou esta terça-feira em tribunal que o presidente do Benfica conspirou com Carolina Salgado, ex-companheira do líder do FC Porto, para incriminar o dirigente portista, escreve a Lusa.

Na quinta sessão do «caso do envelope», um apêndice do mega-processo de corrupção desportiva Apito Dourado, em julgamento no Tribunal de Gaia, Paulo Lemos, ex-companheiro de Carolina Salgado, revelou alguns dados dos encontros entre o líder «encarnado», Luís Filipe Vieira, e a autora do livro «Eu, Carolina».

Apito: tribunal recusa ouvir irmã de Carolina

«Num jantar em Lisboa, Luís Filipe Vieira disse a Carolina: O que tens para mim e quanto queres por isso?», contou Paulo Lemos, inquirido pelo advogado Gil Moreira dos Santos, representante legal de Pinto da Costa.

«Luís Filipe Vieira, presidente do Benfica, tentou, nesse jantar, incriminar Pinto da Costa, juntamente com Carolina. Estava também presente Leonor Pinhão (jornalista)», afirmou, admitindo ter presenciado essa conversa.

A testemunha de defesa, que chegou a ser acusado, com Carolina Salgado, do crime de fogo-posto aos escritórios do advogado Lourenço Pinto e de Pinto da Costa, falou de três jantares no restaurante «propriedade de Baba», uma mulher que disse ser esposa do empresário de futebol Jorge Baidek.

Falavam em privado

«Carolina, nos três jantares nesse restaurante em Lisboa, falava sempre em privado com Baba. No último jantar, com Luís Filipe Vieira, estava Leonor Pinhão e outras pessoas que não conheço», disse o confesso adepto portista e actualmente sem qualquer relação com Carolina.

Fernanda Freitas, co-autora, com Carolina Salgado, de «Eu, Carolina», falou igualmente da relação de Leonor Pinhão com o livro.

«Foi Leonor Pinhão que me pediu para tirar a fotografia à cómoda [onde alegadamente estava o dinheiro que Pinto da Costa usava para subornos] da casa da Rua do Clube dos Caçadores, em Gaia», disse.

Fernanda Freitas, que adiantou ter trocado alguns e-mails com Pinhão, disse ainda ter escrito o livro após notas tomadas em conversas com Carolina Salgado e afastou-se completamente dos capítulos que referem o caso Apito Dourado e os subornos a equipas de arbitragem, assim como tráfico de influências.

A «seriedade» de Pinto da Costa

Também testemunha de defesa de Pinto da Costa, o juiz conselheiro José Manuel Matos Fernandes enalteceu «a seriedade» do dirigente e afirmou nunca lhe ter constado qualquer tentativa de suborno na arbitragem.

Testemunhas de defesa do árbitro

O advogado de Pinto da Costa, Gil Moreira dos Santos, pediu também para juntar aos autos um talão de vencimento do dirigente do FC Porto, tendo em conta as dúvidas que este manifestou na primeira audiência do julgamento quanto ao valor exacto da sua remuneração. Segundo aquele documento, Pinto da Costa ganha 19,497,37 euros líquidos mensais como presidente da SAD do FC Porto.

Durante a tarde, serão ouvidas as testemunhas Azevedo Duarte e Hernâni Duarte, pai e irmão do arguido Augusto Duarte, chamados pela defesa deste árbitro.