O líder da UGT, Carlos Silva, considera que a resistência do Governo à realização do protesto na Ponto 25 de Abril só pode ter motivações políticas. Em declarações à TSF, esta terça-feira, o dirigente sindical disse que a UGT não vai participar na marcha organizada pela CGTP, mas considera que a intersindical já deu garantias de segurança suficientes.

«Na minha opinião, a CGTP já garantiu as medidas de segurança necessárias e também tentou articular-se com as forças de segurança para garantir a travessia da ponte nas melhores condições», afirmou.

Também à TSF, Carlos Silva considera que o Governo pretende apenas evitar o impacto que um protesto com estas características possa ter.

«Não há dúvida que a ponte 25 de Abril tem um forte simbolismo. Lembro que nos tempos em que Cavaco Silva era primeiro-ministro, foi na ponte 25 de Abril que começaram alguns protestos que acabaram num ato eleitoral», recordou.