No processo Casa Pia, Carlos Cruz e Ferreira Diniz começaram a pagar as primeiras indemnizações a que foram condenados por abusos sexuais. O apresentador e o médico não responderam voluntariamente à decisão da justiça e, por isso, as reformas começaram a ser penhoradas.
 
Cinco anos depois do acórdão Casa Pia, Carlos Cruz e Ferreira Diniz começaram a pagar as indemnizações às vítimas. Ao ex-apresentador, estão a ser retidos todos os meses 400 euros. No caso do antigo médico, a ordem é para penhorar mais de 600 euros mensais. 
 
Cruz foi condenado a indemnizar uma das vítimas num total de 25 mil euros, enquanto Ferreira Diniz tem 75 mil para pagar a três assistentes do processo. 
 
Quase meio milhão é quanto os cinco condenados têm que pagar às vítimas dos abusos sexuais, mas apenas o antigo embaixador Jorge Ritto pagou voluntariamente 25 mil euros.
 
Carlos Silvino, o antigo motorista da Casa Pia, tem a indemnização mais pesada: 285 mil euros. Em janeiro, o tribunal penhorou-lhe uma conta com 12 mil euros, mas a defessa apresentou oposição. 
 
O tribunal ainda não decidiu se anula a penhora, mas Silvino foi entretanto declarado insolvente. O único rendimento é uma pensão impenhorável. A defesa diz que o tribunal aceitou a exoneração do passivo restante. Dito de outra forma, o mais provável é que nunca chegue a pagar as indemnizações.
 
Manuel Abrantes, o antigo provedor adjunto da Casa Pia, foi condenado a pagar quase 40 mil euros, mas enquanto tiver outras penhoras em curso, o processo Casa Pia continua a aguardar
 
Carlos Cruz já tinha a reforma penhorada por dívidas ao BCP, pelo que só foi possível reter 400 euros mensais. O antigo apresentador tem um processo pendente no Tribunal Europeu dos Direitos do Homem, ainda espera ser declarado inocente e receber ele uma indemnização do Estado português.