Universidades e politécnicos públicos vão disponibilizar 50.820 vagas para os candidatos ao ensino superior na 1.ª fase do concurso nacional, menos 641 lugares do que os 51.461 colocados a concurso no ano letivo de 2013-2014.

De acordo com a informação disponibilizada pelo Ministério da Educação e Ciência (MEC), o número total de vagas disponíveis para a 1.ª fase do concurso nacional de acesso está a cair desde 2011, ano em que foram a concurso 53.500 lugares.

Também o número de alunos candidatos ao ensino superior tem vindo a diminuir desde 2010, havendo em 2012 menos 6.739 concorrentes do que naquele ano, de acordo com dados apurados no final da terceira fase.

Em 2012 sobraram 8.547 vagas, quase o dobro dos lugares de 2009 (4.614).

No final da terceira fase em 2013 ficaram por ocupar 8.473 lugares, um número, ainda assim, inferior às 8.547 vagas por preencher registadas em 2012 no final desta fase.

A 1ª fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior para o próximo ano letivo arranca a 17 de julho e «tal como no ano anterior, a candidatura é apresentada online no site da Direção-Geral do Ensino Superior», referiu o MEC.

Para além desta via de acesso pode haver ainda novas admissões através de concursos locais para cursos como Música, Dança, Teatro ou Cinema, que vão abrir 646 vagas (mais seis do que em 2013); as novas admissões na Universidade Aberta, que tem um regime específico de acesso, as admissões de novos alunos para as instituições de ensino superior militar e policial e os concursos específicos para estudantes que concluíram cursos de especialização tecnológica ou que têm mais de 23 anos de idade.

No próximo ano letivo arrancam nos institutos superiores politécnicos os novos cursos técnicos superiores profissionais, de formação superior pós-secundário, mas não conferentes de grau académico, e para os quais o acesso será feito ao nível das instituições, estando ainda a decorrer, até ao final do mês, o registo dos cursos na plataforma da Direção-Geral do Ensino Superior (DGES) para esse efeito.

Na página da internet da DGES os candidatos ao ensino superior vão poder encontrar «informação estatística acerca dos cursos de licenciatura e integrados de mestrado, incidindo, entre outros aspetos, sobre a taxa de desemprego registado no Instituto do Emprego e Formação Profissional dos diplomados com cada curso».

A informação relativa às decisões que motivaram a acreditação dos cursos superiores por parte da Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES) pode ser consultada online.

As engenharias, as ciências empresariais e a saúde são as áreas de formação com maior oferta de vagas.

De acordo com os dados disponibilizados pelo MMEC os cursos na área das engenharias representam 17,5% do total das mais de 50 mil vagas a concurso, sendo a área de estudos com mais lugares disponíveis (9.022, sem alterações em relação a 2013). No entanto, esta foi uma das áreas no ano letivo anterior que menos estudantes colocou no ensino superior.

Segundo o MEC, apenas nove cursos vão abrir em 2014-2015 com menos de 20 vagas disponíveis, com Engenharia Têxtil, da Universidade do Minho, a ser o que leva menos lugares a concurso na 1.ª fase, com apenas dez vagas disponíveis.