O Dia Nacional de Prevenção do Cancro Cutâneo assinala-se hoje, numa altura em que o cancro de pele tem vindo a aumentar, estimando-se que este ano surjam 11 mil novos casos, dos quais cerca de mil são melanomas.

Segundo os últimos números divulgados pela Associação Portuguesa de Cancro Cutâneo (APCC), a incidência dos vários tipos de cancros da pele tem vindo a aumentar em todo o mundo, calculado-se que, em 2014, em Portugal, apareçam 11 mil novos casos, dos quais aproximadamente mil serão melanomas.

A associação alerta que as maratonas e outros desportos ao ar livre estão a contribuir para o aumento de casos de cancros de pele, apesar de os portugueses estarem a ter mais cuidados de proteção à exposição solar.

O melanoma é um dos tipos de cancro mais grave, sendo responsável por 80 por cento das mortes por cancro cutâneo.

Segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), morrem todos os meses cerca de 22 pessoas com melanoma avançado.

A associação deixa um conselho: «Se tem pele clara, se já sofreu queimaduras na infância e adolescência, se costuma passar muito tempo ao sol, se frequenta ou frequentou solários, se tem uma pele com muitos sinais, ou antecedentes na família com casos de cancro da pele, não ignore esta situação e faça o seu rastreio.»

Das mais de 1.200 pessoas rastreadas ao cancro da pele em 2013, metade assumiu já ter apanhado queimaduras solares, um terço admitiu não pôr sempre protetor solar na praia e quase um quarto possuía sinais com risco de melanoma.

Inquéritos realizados em 2013 pela APCC revelaram que os profissionais de saúde e de educação estão pouco informados sobre o cancro da pele e sentem necessidade de ter mais conhecimentos sobre a doença.