Quase metade dos doentes com cancro da mama encaminhados para quimioterapia podiam ser poupados a esse tratamento invasivo, caso fosse aplicado um teste genómico ao tumor que já existe em Portugal, mas que custa perto de 3.000 euros.

Um estudo europeu publicado esta semana, que seguiu 6.600 doentes com cancro da mama em nove países europeus durante mais de cinco anos, concluiu que o teste ‘MammaPrint’ permite poupar a quimioterapia a 46% dos casos de doentes com cancro da mama precoce que, pelos critérios tradicionais, a fariam.

Segundo a médica Fátima Cardoso, que é a investigadora principal do estudo, a comunidade científica tem consciência que uma grande percentagem de doentes com cancro da mama precoce é sobretratada.

Isto deve-se ao facto de o cancro da mama só ser curável em fase precoce, uma vez que quando aparecem metástases (doença à distância ou recidiva) a doença torna-se incurável. Por essa razão, em caso de dúvida sobre o risco de recidiva, os médicos preferem fazer quimioterapia.

Uma questão crucial é como identificar os tumores precoces com um risco de recidiva tão baixo que permita prescindir de quimioterapia.

“Na prática clínica, decide-se se a quimioterapia será necessária ou não baseada em características patológicas do tumor e características do doente. Mas há casos de tumores com as mesmas características, que recebem o mesmo tratamento mas cujo comportamento é completamente diferente. Ou seja, existem outras características que são fundamentais para o risco de recidiva”, explicou em entrevista à agência Lusa a investigadora da Fundação Champalimaud Fátima Cardoso.

Usou-se uma nova tecnologia para analisar o genoma do tumor, traçar uma espécie de bilhete de identidade, olhando para os seus 44 mil genes e tentando encontrar características que diferenciem entre baixo e alto risco de recidiva.

Foi assim descoberta uma assinatura de 70 genes (MammaPrint) que permite fazer essa distinção. O estudo avaliou este novo teste em associação aos critérios patológicos e clínicos tradicionais.

Avaliou-se o risco de recidiva das 6.600 doentes do estudo pela forma tradicional e também com o novo teste genómico MammaPrint.

Quando os dois métodos indicavam que o tumor era de alto risco, encaminhava-se o doente para quimioterapia. Quando a indiciação de ambos era de risco baixo, não se aplicava quimioterapia.

Em caso de discordância na resposta dada pelos dois métodos - o que acontece em cerca de um terço dos casos - os investigadores propuseram-se perceber qual devia ser o método seguido.

Dividiram os doentes e metade seguiu o método de avaliação de risco tradicional do tumor e outra metade o risco apontado pelo MammaPrint.

O estudo concluiu que quando os critérios tradicionais indicam alto risco mas o teste genómico diz baixo risco não precisamos de fazer quimioterapia. Na verdade, permite poupar quimioterapia a 46% de pessoas que normalmente fariam quimioterapia pelos critérios tradicionais”, indicou Fátima Cardoso.