A conferência “Populismo ou Democracia? Brexit, Trump e Le Pen”, com o politólogo Jaime Nogueira Pinto, que deveria ter decorrido, esta terça-feira, na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (FCSH/NOVA) foi cancelada pela direção da faculdade. Em causa estariam questões de segurança e “oportunismo da entidade organizadora”. A conferência era organizada pela Nova Portugalidade, entidade externa à Universidade.

Após uma reunião geral de alunos foi apresentada uma moção de protesto, contra a conferência e os estudantes defenderam que a conferência era da responsabilidade de "uma organização fascista".

Francisco Caramelo, diretor da FCSH, admitiu que "nunca sentiu que a segurança dos convidados estivesse em causa”, mas preferiu cancelar a conferência. Acrescentou ainda que já falou com Jaime Nogueira Pinto “convidando-o para um debate mais alargado” sobre este tema que considera “importante nos dias de hoje”.

Entretanto, a Direção da Associação de Estudantes da FCSH/NOVA (DAEFCSH) demarcou-se das acusações de “censura” garantindo que cumpriu com os estatutos da associação. Ana Rosa, membro da DAEFCSH, afirma que “a AEFCSH luta pela liberdade de expressão dos alunos”.

A polémica já chegou ao parlamento com o CDS-PP a condenar a tomada de decisão da faculdade. A Associação 25 de Abril já se mostrou disponível para receber a conferência nas suas instalações.

também o ministro do Ensino Superior ligou hoje do reitor da Universidade Nova de Lisboa (UNL) para pedir garantias de que o cancelamento da conferência com Jaime Nogueira Pinto não coloca em causa o direito à liberdade de expressão.

A revelação foi feita pelo ministro Manuel Heitor no parlamento, durante uma audição na comissão parlamentar de Educação e Ciência, depois de questionado pela deputada do PSD Nilza de Sena sobre o cancelamento da conferência.