A Proteção Civil diz que não tem qualquer confirmação relativamente à queda de uma aeronave em Pedrógão Grande. Em declarações aos jornalistas, no posto de comando de Avelar, o comandante Vaz Pinto garantiu que todos os meios aéreos ao serviço da Proteção Civil estão a operar, desmentindo uma informação que tinha sido divulgada anteriormente pela própria Proteção Civil.

Não temos qualquer confirmação de queda de aeronave. (...) Não há nenhuma aeronave ao serviço da Proteção Civil que tenha caído", vincou o comandante Vaz Pinto, em declarações aos jornalistas.  

O comandante esclareceu que perante informações que davam conta da queda de um aparelho em Pedrógão Grande, foram mobilizados meios para o local, mas que não foi encontrada nenhuma aeronave

A notícia chegou a este Posto de Comando e de imediato foram despachados os meios de socorro e de busca para o local. (...) Todos os meios aéreos contratados pela Autoridade Nacional de Proteção Civil a operar em território nacional não caiu nenhuma."

Populares relataram que ouviram um "grande estrondo no local". O responsável afirmou ainda que o estrondo ouvido naquela localidade pode ter tido origem numa "roulote abandonada com botijas de gás que eventualmente pode ter explodido". Apesar das várias teorias, os meios de busca estão no local para tentar confirmar o que aconteceu na zona. 

O secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, também já garantiu que "não houve qualquer acidente com meio aéreo a operar em Portugal".

Ao que a TVI24 conseguiu apurar em Louriçal, um avião pode ter feito uma aterragem ou manobra de emergência no local.

Durante a tarde, uma fonte da Autoridade Nacional de Proteção Civil tinha informado que um avião Canadair de combate aos incêndios, que operava no fogo de Pedrógão Grande, tinha caído.

O Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e de Acidentes Ferroviários (GPIAAF) indicou à Lusa que foi informado da queda da aeronave na zona de Pedrógão Grande, acrescentado que uma equipa deste organismo se ia deslocar para o local para, em conjunto com a Proteção Civil, proceder às operações.

As informações indicavam que o avião se tinha despenhado na zona de Ouzenda, Pedrógão Grande.

Fonte da Proteção Civil indicou à Lusa que estava a caminho do local um helicóptero do INEM.

Um helicóptero EH 101 da Força Aérea Portuguesa (FAP) de busca e salvamento também foi ativado para participar nas operações. Fonte da FAP indicou à Lusa que o EH 101 ia descolar da Base Aérea N.º6, no Montijo.

Uma dezena de veículos dos bombeiros concentraram-se junto de um posto de combustível, na localidade de Picha, em Pedrógão Grande, a alguns metros de onde alegadamente teria caido o avião. 

O avião teria caído entre as localidades de Picha e Louriceira, numa encosta onde as chamas lavram com grande intensidade como é visível pelo fumo negro, constatou a Lusa no local.

Segundo moradores da zona, vários aviões descarregaram cargas de água na zona para tentar chegar ao local.

No local, elementos da Guarda Nacional Republicana (GNR) ordenaram a saída dos jornalistas.

As ordens que tenho são para retirar a comunicação social e não os moradores”, disse a GNR no terreno.

O fogo que, desde sábado, lavra no concelho de Pedrógão Grande, distrito de Leiria, já levou à evacuação de 13 aldeias na zona Este do incêndio, segundo fonte da Proteção Civil. O incêndio já provocou 64 mortos.