Uma mulher, de 47 anos, e o filho, de 18, foram nest quinta-feira detidos em Lisboa por suspeitas de cultivarem plantas de canábis e de utilizarem um laboratório artesanal para produzir haxixe.

Segundo disse à Lusa fonte policial, a Divisão de Investigação Criminal desenvolveu às 07:00 uma operação policial numa residência na zona de Campolide, em Lisboa, cujo objetivo era deter o jovem e a mãe.

«Eles possuíam uma autêntica fábrica de haxixe. Tinham uma plantação de canábis, secavam as folhas e depois transformavam-nas em haxixe», disse à Lusa fonte policial.

A polícia estava a investigar os suspeitos há um mês e, durante a operação, apreendeu uma arma de fogo de calibre 38 e várias munições, uma arma de pressão de ar, 13 plantas de canábis, 290 gramas de haxixe, em forma de bolotas, suficiente para a preparação de 1.451 doses individuais.

A PSP apreendeu ainda 297 gramas de haxixe em forma de placas, 41 gramas de liamba (erva), 22 gramas de cocaína, 335 euros e diversos objetos utilizados na conceção, produção e consumo de droga.

Os detidos têm antecedentes criminais pela prática do mesmo tipo de crimes e o jovem encontra-se atualmente com a medida de coação de apresentações periódicas na esquadra da área de residência por ser suspeito de um crime de roubo.

A polícia constituiu ainda como arguidos e sujeitos a termo de identidade e residência três homens e uma mulher.

Os dois detidos vão ser presentes a tribunal na sexta-feira, para primeiro interrogatório judicial.