O Tribunal de Aveiro começou esta segunda-feira a julgar um automobilista, de 24 anos, que foi detido quando transportava cerca de 30 quilos de canábis, após uma perseguição a alta velocidade na autoestrada 1 (A1), zona de Anadia.

Na primeira sessão do julgamento, o arguido confessou todos os factos descritos na acusação e pediu perdão.

«Estou muito arrependido. Arruinei a minha vida e podia arruinar a vida de outras pessoas», disse o arguido, que se encontra em prisão domiciliária.

Os factos ocorreram no passado mês de fevereiro, quando o suspeito foi interceptado pela GNR ao quilómetro 235 da A1, no sentido norte-sul, a conduzir uma viatura sem inspeção periódica obrigatória.

Segundo a acusação deduzida pelo Ministério Público (MP), o indivíduo, residente em Leça da Palmeira, Matosinhos, não obedeceu a uma ordem de paragem da GNR e colocou-se em fuga.

Após 12 quilómetros de perseguição, os militares da Unidade de Trânsito da GNR conseguiram ultrapassar o veículo do suspeito e obrigaram-no a imobilizar a viatura na berma.

Neste trajeto, o indivíduo conduziu a uma velocidade média de 190 quilómetros por hora e efectuou várias manobras perigosas, colocando em risco outros condutores que seguiam na mesma via.

Após uma busca ao veículo do suspeito, as autoridades encontraram seis embalagens envoltas em fita adesiva, contendo cerca de 30 quilos de canábis que, segundo a acusação, se destinava a ser distribuída em Coimbra.

O suspeito está acusado de um crime de tráfico de estupefacientes e outro de condução perigosa, respondendo ainda por duas contra-ordenações muito graves, como recorda a Lusa.