Os suinicultores agendaram para esta sexta-feira um protesto em Lisboa. Produtores de carne voltam a manifestar-se contra os preços da carne nos hipermercados e a dificuldade em escoar os produtos.

Vários camiões vindos de Rio Maior, Leiria, Torres Vedras, Alcochete e Benedita são esperados na capital para um protesto que promete entupir algumas das principais vias da cidade. 

De acordo com a organização, cerca de 300 camiões de suinicultores do país inteiro estão a caminho de Lisboa para protestarem frente ao Ministério da Agricultura, pedindo ajuda para um setor que dizem estar "à beira do colapso".

A concentração está a ser organizada pelo gabinete de crise dos suinicultores, grupo de trabalho criado no final do ano passado, que quis manter este protesto em segredo, mas entretanto os camiões foram intercetados pela polícia à entrada dos principais eixos da cidade, segundo contam os responsáveis pela organização do protesto.

Entretanto, o trânsito na Segunda Circular está já muito condicionado.

“Queremos alertar o poder político, está um setor inteiro à beira do colapso”, disse o presidente da Federação Portuguesa de Associações de Suinicultores, Vítor Menino, à Lusa.

O Comando Metropolitano de Lisboa (Cometlis) da PSP confirmou à Lusa que está a “fazer o acompanhamento e a monitorização” da manifestação dos suinicultores.

Em relação ao trânsito, o porta-voz do Cometlis, o comissário Rui Costa, disse que a PSP vai adequar a sua atuação e decisão em função das circunstâncias e da evolução da manifestação e que os manifestantes pretendem dirigir-se ao Ministério da Agricultura, no Terreiro do Paço, para entregar um manifesto.

Há já alguns manifestantes no Terreiro do Paço, incluindo famílias com crianças que se fazem acompanhar também de dois leitões bebés dentro de uma caixa de transporte de animais, munidos de cartazes com as seguintes frases: "Sr. Ministro, os animais têm fome. Que devo fazer?" ou "Os suinicultores não querem morrer".