A Câmara de Silves está à desinfestar os locais referenciados como de maior risco para o aparecimento de mosquitos, na localidade de Armação de Pera, para evitar que se repita o surto daqueles insetos ocorrido no verão de 2013.

«Não vamos erradicar os mosquitos, mas queremos controlá-los para impedir o surgimento de quaisquer focos perturbadores do bem-estar das pessoas», disse à agência Lusa Rosa Palma, presidente da Câmara de Silves.

Em agosto de 2013, uma praga anormal de mosquitos assolou toda a zona de Armação de Pera, obrigando milhares de turistas a abandonarem as praias por não conseguirem suportar aqueles insetos.

De acordo com Rosa Palma, «a autarquia está a atuar na prevenção, com a desinfestação dos locais referenciados como de maior risco, onde estão a ser colocados herbicidas e inseticidas, no sentido de evitar uma praga como a que foi registada no ano passado».

«Queremos fazer tudo para que toda a zona de Armação de Pera não seja afetada na sua imagem turística», assegurou.

Segundo a autarca, «já existem alguns mosquitos» no leito da ribeira de Alcantarilha, o que originou a que as ações de tratamento e de prevenção fossem iniciadas mais cedo, «até porque têm feito dias de grande calor, propícios ao aparecimento destes insetos».

«Em situações anteriores, em que tínhamos as quatro estações do ano, os tratamentos só começavam no final de maio, mas atendendo ao tempo quente que já temos, iniciámos [já] o tratamento», referiu a autarca.

A autarca adiantou que foram efetuados quatro tratamentos nas zonas fulcrais de possível aparecimento de mosquitos.

Segundo Rosa Palma, as desinfestações «vão manter-se durante os meses de verão», de forma a impedir que surjam mosquitos em grande número e que possam impedir as pessoas de permanecerem em Armação de Pera.

«Iremos fazer tudo o que está ao nosso alcance para evitar que os milhares de pessoas que venham passar férias para toda esta zona, sejam perturbadas no seu bem-estar», concluiu.

Em 2013, as praias de Albufeira foram também afetadas pelos milhares de mosquitos oriundos de Armação de Pera, levando a que as autoridades recorressem também ao combate da praga com a utilização de um helicóptero Kamov.

Na ocasião, a autarquia de Silves ponderou a hipótese do combate ser efetuado com um fogo controlado nas margens da ribeira de Alcantarilha, mas este meio acabou por ser descartado devido aos elevados riscos ambientais.