A Câmara de Lisboa decidiu hoje, por unanimidade, propor ao Governo a atribuição da designação de Aeroporto Humberto Delgado ao Aeroporto da Portela, numa altura em que se assinala o 50.º aniversário do assassinato do militar português.

Na moção aprovada em reunião camarária, e à qual a agência Lusa teve acesso, o presidente do município, António Costa (PS), sustenta que Humberto Delgado «foi uma figura notável do país político do seculo XX», assim como «um vulto maior da aviação comercial portuguesa».

«Com ambas as facetas contribuiu decisivamente para formar o Portugal de hoje», acrescenta.

O executivo municipal, de maioria socialista, aprovou ainda por unanimidade um «voto de saudação em memória» de Humberto Delgado.

O marechal nasceu a 15 de maio de 1906 em Boquilobo, Torres Novas, e foi assassinado a 13 de fevereiro de 1965, encontrando-se entre as personalidades sepultadas no Panteão Nacional.

António Costa considera também que Humberto Delgado «contribuiu para manter ativa a oposição ao regime, e do exterior perpetua a luta pela liberdade e pela democracia, continuando a estar associado a momentos marcantes da resistência ao Estado Novo, como a captura do paquete Santa Maria e o assalto ao quartel de Beja».

«A lealdade, sentido de dever, inteligência e o brio profissional valeram-lhe diversas homenagens e condecorações» e a «postura de inconformismo e de desafio pela liberdade e democracia granjearam-lhe o epíteto de general sem medo», recorda o autarca.

Na moção, António Costa faz algumas referências à vida de Humberto Delgado, nomeadamente à educação de cariz militar, visto que passou por instituições como o Colégio Militar e a Escola do Exército (em 1917 e 1922, respetivamente).

O autarca recorda que foi no café Chave D’ Ouro, em Lisboa, que Humberto Delgado proferiu a célebre expressão «obviamente demito-o», em resposta a um jornalista da Agence France-Presse sobre qual seria o destino que daria a Salazar no caso de ganhar as eleições.

«Depois desse sufrágio, o ambiente político em Portugal não viria a ser o mesmo: um militar destacadíssimo e condecorado havia afrontado o regime, como exemplo para outros que o seguiriam», adianta, aludindo à revisão constitucional (na qual se substituiu o sufrágio direto por sufrágio indireto), em agosto de 1959.