A Autoridade Nacional da Proteção Civil lançou um aviso à população para o risco elevado e máximo de incêndios nas próximas horas, tendo em conta as temperaturas quentes previstas, que deverão ser acompanhadas de vento com rajadas.

De acordo com a Proteção Civil, as condições meteorológicas previstas traduzem “num índice de risco de incêndio em nível muito elevado e máximo na generalidade dos municípios das regiões do interior Norte e Centro, Alto e Baixo Alentejo e Algarve e em nível elevado na maioria dos restantes municípios dessas regiões”.

O tempo quente e vento moderado a forte e com rajadas são “condições favoráveis à eventual ocorrência e propagação de incêndios rurais”, avisa.

A previsão do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) para as próximas horas refere temperatura máxima até 33ºC no interior Norte, até 37ºC no interior Centro e na bacia do rio Tejo e até 38ºC no Sul.

A humidade será de entre 10 e 30% na generalidade do território continental, enquanto o vento deverá soprar moderado a forte (até 45 km/h), e com rajadas até 60 km/h.

No sábado, espera-se vento persistente e com rajadas no litoral oeste e nas terras altas.

As previsões de tempo levam a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) a lembrar a proibição de realização de queimadas e fogueiras, a queima de matos cortados e o lançamento de balões com mecha acesa ou qualquer outro tipo de foguetes.

Além disso, não é permitido fumar ou fazer lume em espaços florestais e arredores, e devem existir cuidados com várias situações, como o abastecimento de máquinas em locais com pouca vegetação ou o fazer faíscas em locais de maior calor.

Face à situação meteorológica prevista, e além dos meios definidos pelo DECIR (Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais), a proteção civil tem ao dispor vários Grupos de Reforço de Ataque Ampliado (GRUATA) preposicionados, nomeadamente em Vila Real, Macedo de Cavaleiros, Guarda e Ponte de Lima.

Nas zonas mais sensíveis e de maior risco serão mantidas as ações de patrulhamento pelas forças armadas e forças de segurança, além das iniciativas de pré-condicionamento dos corpos de bombeiros e da força especial de bombeiros.

Continuam disponíveis meios das Forças Armadas, nomeadamente para reforço da vigilância, no total de 85, dos quais nove estão em Viseu e em Vila Real.