Os especialistas da Organização Meteorológica Mundial confirmaram  que o furacão Ophelia contribuiu para a alteração das temperaturas na Europa, com vários recordes de calor, e esperam que volte a normalidade, nomeadamente em Portugal.

"Esperamos que [as temperaturas] voltem ao normal na Europa, incluindo em Espanha e Portugal", disse hoje a porta-voz da Organização, Claire Nullis, falando aos jornalistas, em Genebra.

O responsável realçou que "o que é mais impressionante com este furacão não é só o vento e a sua localização, mas também tudo o que o acompanha".

É que, com os ventos "excecionalmente fortes, registaram-se temperaturas altas em muitas partes da Europa, como consequência do Ophelia", explicou Claire Nullis.

A Organização Meteorológica Mundial recordou que se confirmou que os ventos fortes e as altas temperaturas associadas a este fenómeno contribuíram para a multiplicação dos incêndios florestais no Norte de Portugal e de Espanha.

Em Portugal, registaram-se, no fim de semana, temperaturas muito elevadas em alguns pontos do país, acima de 30 graus Celsius, tendo domingo sido o pior dia de fogos do ano, com centenas de incêndios no Norte e Centro do país e, pelo menos 37 mortos, além de 71 feridos, 55 dos quais ligeiros e 16 graves.

Aquela foi a segunda situação mais grave de incêndios com mortos este ano, depois de Pedrógão Grande, no verão, um fogo que alastrou a outros municípios e que provocou 64 mortos e mais de 250 feridos.

Também em Espanha, as temperaturas foram elevadas, atingindo 36 graus, mais 13 que a média habitual, enquanto na Holanda se registaram 25 graus, um recorde para esta época do ano, como aconteceu igualmente em vários locais de França.

O furacão Ophelia que, quando chegou à Europa tinha a classificação de tempestade, atinge hoje locais da Inglaterra, principalmente Escócia, onde foi declarado risco de inundações e parte do serviço de transporte está interrompido, depois de, na Irlanda ter causado, na segunda-feira, três mortos e muitos estragos.

As rajadas de vento ultrapassaram 150 quilómetros por hora, em vários locais.

Na segunda-feira, o Ophelia também provocou um fenómeno estranho no céu em várias cidades europeias, tendo ficado com fortes tonalidades amarelas e laranja.

Este fenómeno deveu-se à combinação das cinzas dos incêndios e da areia do deserto do Sahara, que este ano chegou mais a Norte que nunca.