Um grupo de judocas da Universidade do Minho voltou a tirar a roupa para um calendário destinado a angariar verbas para o Fundo Social de Emergência da instituição. No início do ano, o grupo conseguiu angariar oito mil euros destinados à ajuda urgente a estudantes. Agora pretendem repetir a proeza e, aos judocas, juntam-se estudantes que praticam outras modalidades como voleibol, andebol e escalada.

“Aceitei o convite consciente do trabalho sério e honesto da proposta. Na minha opinião, a solidariedade é o sentimento que melhor expressa o respeito pela dignidade humana”, declara Mariana Falcão, jogadora de voleibol e uma das modelos do calendário.
 
Entre os "modelos" que posaram para Nuno Gonçalves, fotógrafo e treinador de judo, estão alunos de cursos tão diversos como Medicina, Engenharia Têxtil, Engenharia de Polímeros. No total, 22 atletas despem-se no calendário.
 

"A segunda edição do calendário solidário é a sequência natural de uma iniciativa que superou expetativas e despertou consciências. Acima de tudo, representa o reforço de um compromisso com a causa de quem luta para que ninguém fique para trás. É simultaneamente um grito de irreverência e de responsabilidade social", afirma Carlos Videira, presidente da Associação Académica de universidade minhota.

 
A apresentação do calendário acontece, no sábado, em Braga. O calendário vai estar à venda nas instalações da universidade e custará cinco euros.