A época dos exames nacionais do ensino secundário é um dos momentos decisivos para quem quer ingressar no ensino superior. Para muitos, uma boa classificação é o passaporte necessário para se poder entrar no curso pretendido. Por isso, uma boa preparação pode ser a chave para o sucesso.

A TVI24 reuniu tudo aquilo que precisa de saber sobre os exames nacionais deste ano, incluindo o calendário, algumas das dúvidas mais frequentes e um conjunto de dicas para todos os alunos que vão ter de enfrentar estas provas.
 

Calendário

A primeira fase dos exames nacionais arranca já no próximo mês, no dia 15 de junho. os primeiros a serem postos à prova são os alunos do 11.º ano de Filosofia. A primeira fase prolonga-se até dia 25, uma quinta-feira, e há dois horários possíveis: de manhã, às 9:30, e à tarde, às 14:00. No total, são sete dias de provas.

A segunda fase realiza-se um mês depois. Aqui, só há três dias de exames: 17, 20 e 21 de julho.
 

Confira o calendário completo

Inscrição

O prazo para a inscrição na primeira fase terminou a 20 de março. Já a inscrição na segunda fase só pode ser feita entre 13 e 15 de julho.

Regras

Há um conjunto de regras e requisitos a ter em conta durante a realização das provas. Para começar, os alunos têm que levar o documento de identificação, ou seja, o cartão de cidadão ou outro que o substitua. Não podem levar material que não seja devidamente autorizado, como telemóveis ou tablets, e têm que escrever a caneta ou esferográfica de tinta preta ou azul. Os corretores, por exemplo, estão proibidos. Depois, mesmo que terminem a prova antes do tempo regulamentar, os alunos não podem abandonar a sala.
 

Afixação de resultados

Os resultados da primeira fase são conhecidos a 13 de julho, quando começa o período de inscrição na segunda fase.  Já os resultados da segunda fase são divulgados a 4 de agosto.



Quem se pode candidatar à segunda fase?

Todos os alunos que não conseguirem obter a aprovação nos exames realizados na primeira fase ficam automaticamente inscritos na segunda. Isto para os alunos internos, ou seja, todo os que frequentam um curso científico-humanístico, excluindo os do ensino recorrente, num estabelecimento de ensino público ou privado. Os alunos propostos têm que se inscrever.

Os alunos que foram excluídos por faltas de presença de uma determinada disciplina  têm aqui a oportunidade de a concluir.

Também se podem candidatar à segunda fase todos os que quiserem melhorar a classificação da prova, e para estes a inscrição é obrigatória.

Há, no entanto, um aspeto fundamental a ter em conta: um exame realizado na segunda fase só pode ser usado como prova de ingresso na segunda fase de acesso ao ensino superior. A única exceção prevista destina-se aos alunos que realizaram na primeira fase um exame que estava agendado para o mesmo dia e hora do exame da segunda.


Dicas úteis

O segredo para ter sucesso reside na preparação. Estudar a matéria é essencial, mas os especialistas defendem que há uma série de outros aspetos a ter em conta, que podem ter uma grande influência no resultado obtido. Os exames nacionais são importantes, sim, mas não têm que ser uma dor de cabeça.


Antes dos exames:

Estudar e fazer muitos exercícios de aplicação prática é essencial. Não desistir quando se depara com dificuldades é igualmente importante.
 
Ter uma boa alimentação, dormir bem e, nos dias imediatamente anteriores aos exames, evitar comportamentos que possam causar algum stress (festas ou discussões por exemplo) é fundamental. 


No dia do exame:


Não se deve estudar - A preparação faz-se antes do exames. No dia, pode-se apenas rever alguns assuntos, se for mesmo necessário. Os especialistas defendem que estudar no próprio dia pode criar confusões desnecessárias num dia em que se deve estar calmo e confiante.

Ter espírito positivo - Se frequentou as aulas e se preparou com antecedência, está preparado para resolver a grande maioria das questões. Os alunos que vão com a ideia de que o exame é difícil têm tendência para complicar nas perguntas que, na verdade, conseguem resolver com relativa facilidade.

Escolha múltipla - Chama-se escolha múltipla e não escolha rápida. Leia com atenção e demore o tempo que for necessário a responder. Muitas vezes estas questões também exigem tempo e uma série de deduções.



Pergunta difícil - Quando se está com dificuldades em resolver uma determinada questão é importante não entrar em stress e também não perder demasiado tempo com isso. Avance para as questões seguintes e, no final, regresse ao que deixou para trás. Muitas vezes os alunos acabam por conseguir responder mais tarde.

Revisão no final - No final de acabar a prova reveja tudo aquilo que fez, nomeadamente se não deixou nada por responder e se indicou de forma clara todas as respostas.