O incêndio urbano que causou a morte de uma idosa de 83 anos, nas Caldas da Rainha, deverá ter tido origem num problema elétrico com um aquecedor, segundo informações apuradas pela TVI24 junto dos bombeiros locais.

Os indícios que verificámos no local apontam para um incêndio de origem elétrica, relacionada com um aquecedor antigo de resistências que se encontrava naquele quarto de apoio à cozinha”, disse à TVI24, Nelson Cruz, comandante dos Bombeiros das Caldas da Rainha.

Quando entrámos vimos a senhora sentada num sofá individual já carbonizada", contou o comandante, tendo os bombeiros conseguido depois apagar o fogo.

Os bombeiros foram alertados às 15:17 desta quarta-feira para o incêndio no segundo de um prédio de dois andares na Rua Capitão Filipe de Sousa, nas Caldas da Rainha.

A senhora estava sozinha em casa, porque o marido, que tem 85 anos, tinha saído para ir a uma casa de saúde, onde costuma levar uma injeção", contou o comandante Nelson Cruz, salientando que foi acionada uma equipa do Centro de Apoio Psicológico e Intervenção em Crise (CAPIC), “para prestar apoio psicológico ao marido da vítima”.

Pais do procurador

A vítima e o marido são os pais do procurador da República, Rosário Teixeira, que chegou ao local "cerca das 17:00", segundo relatou uma fonte moradora na cidade das Caldas da Rainha.

A mãe, que morreu no incêndio, sofria da doença de Alzheimer, mas "ainda assim, vinha por vezes à rua". Já o marido, pai do procurador, "apesar da idade, é uma pessoa muito lúcida e autónoma", segundo garantiu à TVI24 quem conhecia o casal, que vivia, ao que foi possível apurar, com o apoio de serviços prestados por terceiros.

O incêndio que vitimou a mãe do procurador causou ainda ferimentos leves “num jovem, vizinho da vítima, que morava num prédio em frente e tentou, com dois amigos arrombar a porta quando viu que a casa estava a arder".

Segundo o comandante Nelson Cruz, o jovem "apenas inalou fumos e foi ao hospital, apenas por precaução".

No local estiveram 23 operacionais apoiados por 10 veículos dos bombeiros das Caldas da Rainha e de Óbidos, do INEM e da PSP.

A Polícia Judiciária de Leiria esteve também no local a proceder a investigações sobre o incêndio, que foi dado como extinto às 15:48.