O Tribunal de Aveiro condenou esta segunda-feira a penas de três anos e dois anos e nove meses de prisão um casal, suspeito de ter sequestrado e roubado, sob ameaça de arma de fogo, um sexagenário.

O tribunal deu como provado que os arguidos, de 30 e 37 anos, abordaram a vítima com o intuito de lhe subtrair com recurso à violência e intimidação, sob ameaça de arma de fogo, o dinheiro que a mesma tivesse e que pudesse levantar com cartão multibanco.

Os arguidos estavam acusados de um crime de roubo qualificado e outro de sequestro. No entanto, este último foi consumido pelo primeiro, que também foi alterado, passando de qualificado para simples.

O homem foi condenado a três anos de prisão efetiva, enquanto a mulher foi condenada a dois anos e nove meses de prisão, com pena suspensa por igual período, subordinada ao regime de prova.

Durante a leitura do acórdão, a juíza presidente explicou que o tribunal decidiu aplicar a pena mais leve à mulher porque «teve uma menor intervenção nos factos».

Quanto ao homem, o tribunal decidiu não suspender a pena, por considerar que o arguido não interiorizou a gravidade da sua conduta, tendo negado os factos durante o julgamento.

O arguido vai manter-se em prisão domiciliária com vigilância eletrónica até ao trânsito em julgado da decisão.

O caso remonta a novembro de 2013, quando o casal abordou a vítima, no centro da cidade de Ílhavo, no distrito de Aveiro, oferecendo-se para a levar de carro a casa.

Durante o trajeto, os arguidos pararam a viatura num local isolado numa mata, onde perante a ameaça e os disparos de arma de fogo roubaram a carteira do ofendido, de onde retiraram 50 euros.

Não satisfeito com o roubo, o casal terá obrigado a vítima a dirigir-se a uma dependência bancária, em Vagos, com o intuito de efetuar levantamento em dinheiro para entregar aos assaltantes.

No entanto, quando se deslocava para dentro da agência bancária, a vítima conseguiu pedir ajuda e os suspeitos fugiram.