A ponte do Guadiana, que liga Portugal e Espanha, tem um cabo de aço partido, razão suficiente para que o autarca de Vila Real de Santo António peça obras, com urgência, naquela estrutura.

A travessia do rio que serve os dois países foi inaugurada há 25 anos e Luís Gomes queixa-se da falta de uma política de manutenção da infraestrutura.

“As condições atmosféricas e de desgaste para um dos tirantes é igual para todos os outros. A situação de rutura de um cabo de aço não é feita de um dia para o outro. Isto é um processo progressivo. Deixar chegar a uma situação destas significa que não há uma política de manutenção nem de conservação destas infraestruturas”, disse o presidente da Câmara aos microfones da TSF.

Luís Gomes teme um acidente grave: “Pode colocar em causa a segurança se outro cabo se partir”.

A Infraestruturas de Portugal, interpelada pela rádio, refere que estão garantidas as condições de segurança e desvaloriza estes receios, porque o que se partiu foi um dos 37 cabos de aço que constituem um dos tirantes da ponte.

Não obstante, a Infraestruturas de Portugal reconhece que a ponte, que já leva um quarto de século, precisa de uma reabilitação e que esse processo já está em curso. O concurso público foi aberto e as propostas estão a ser avaliadas.

As obras na ponte do Guadiana devem custar cerca de dez milhões de euros. A fatura será dividida com Espanha.