Ao sexto dia de buscas por indícios que apontem para as circunstâncias do desaparecimento de Madeleine McCann, na Praia da Luz, em Lagos, a polícia continua a inspecionar o terreno onde se tem centrado a operação.

Durante a manhã, os dois cães pisteiros levados pela polícia britânica para detetar um eventual odor a cadáver estiveram a farejar locais previamente delimitados e os terrenos foram examinados com recurso a aparelhos de sonda.

Segundo disse à Lusa fonte ligada ao processo, as buscas deverão prosseguir no domingo para depois serem interrompidas na segunda e terça-feira e retomadas na quarta-feira em dois outros terrenos identificados pelas autoridades.

Desde segunda-feira que as buscas têm estado centradas num terreno de vários hectares, cujo acesso está vedado pelas autoridades, a aproximadamente 500 metros do apartamento onde a família McCann passava férias.

Na quarta e na quinta-feira as buscas deverão prosseguir em outros dois terrenos localizados no exterior do perímetro urbano da Praia da Luz.

No local das buscas estiveram também hoje elementos dos bombeiros sapadores florestais de Lagos que estão a desbravar parte da vegetação no terreno com recurso a máquinas.

A operação das polícias britânica e portuguesa estaria inicialmente prevista para durar cerca de uma semana e terminar na sexta-feira, mas o prazo foi estendido até à próxima semana.

Além dos cães pisteiros, as autoridades já utilizaram nas buscas um georradar, tendo igualmente vistoriado parte do sistema de esgotos da povoação.

As operações de busca por indícios que ajudem a desvendar as circunstâncias do desaparecimento de Madeleine acontecem sete anos depois da menina inglesa ter desparecido.

A menina desapareceu poucos dias antes de fazer quatro anos, a 03 de maio de 2007, do quarto onde dormia juntamente com os dois irmãos gémeos, mais novos, num apartamento de um aldeamento turístico na Praia da Luz, Lagos.