A gestora dos bilhetes Andante, usados em mais de 80% das viagens da Área Metropolitana do Porto, apresentou queixas-crime contra criadores e utilizadores de uma burla nos carregamentos, tendo bloqueado a utilização dos títulos fraudulentos.

Em declarações à agência Lusa, fonte do consórcio Transportes Intermodais do Porto (TIP), que gere os títulos de transporte, acrescentou que a empresa já implementou medidas para “reforçar a segurança global do sistema”.

"Há cerca de três meses”, a empresa teve conhecimento de uma aplicação de telemóvel que permitia multiplicar as viagens carregadas no cartão Andante sem pagar por elas.

A mesma fonte assegurou que o problema teve “uma expressão muito pontual” e que a TIP já conseguiu introduzir “um mecanismo que bloqueia a utilização dos cartões fraudulentamente carregados” nos vários meios de transporte em que os Andante são utilizados, casos do Metro do Porto, STCP - Sociedade de Transportes Coletivos do Porto, CP e cerca de uma dezena de operadores privados.

Fomos alertados há cerca de três meses e começamos a tomar medidas de monitorização e vigilância para perceber o que se passava, tendo constatado que o problema tem uma dimensão residual”, explicou a fonte do TIP.

A TIP indicou ainda que “já foram identificados alguns” utilizadores do cartão fraudulento, que foram localizados através do seu número.

Relativamente a cada uma destas pessoas identificadas foram apresentadas queixas-crime por fraude.

Para além disso, a TIP apresentou uma queixa-crime “contra desconhecidos” que “criaram e facilitaram o acesso a esta burla”.

De acordo com o interlocutor do TIP, a fraude não atingiu "os cartões de assinatura mensal”, mas apenas os bilhetes de carregamento.