A Polícia Judiciária anunciou hoje a detenção de um suspeito de burlas qualificadas no ramo imobiliário, numa prática continuada «pelo menos desde 2007» no âmbito da qual já foram identificados 12 lesados em «dezenas de milhares de euros».

Em comunicado, a Diretoria do Norte da Polícia Judiciária (PJ) explica que o homem, de 38 anos, se fazia «passar por engenheiro, título ou habilitação que não tem», e que «criava empresas fictícias, com moradas diferentes», para a «angariação de venda ou arrendamento de imóveis».

«Posteriormente, à revelia dos seus proprietários», o homem «recebia elevados montantes pelas vendas ou rendas dos primeiros meses dos respetivos contratos», acrescenta a PJ.

O homem, que já foi presente a um primeiro interrogatório judicial, viu-lhe «determinada a medida de coação de prisão preventiva».

A PJ informa que, «no âmbito deste inquérito, foram já identificados 12 lesados».

O total do prejuízo causado não está «ainda contabilizado», mas aquela força policial indica que se trata de «valores na ordem de várias dezenas de milhares de euros».

De acordo com a PJ, suspeita-se «da existência de inúmeros outros ofendidos noutras zonas do país».