Uma ex-bancária de 56 anos, envolvida num processo de burlas de pensões com 30 arguidos, admitiu esta segunda-feira na primeira sessão, no Tribunal de Coimbra, que falsificava os relatórios médicos recorrendo ao programa digital informático Paint.

De acordo com a Lusa, a ex-bancária, residente em Coimbra, é acusada de pertencer a uma organização criminosa que emitia documentos para a obtenção de pensões de invalidez, em que eram angariados clientes, elaborados relatórios médicos e emitidos atestados médicos fraudulentos com doenças de que os beneficiários não padeciam.

Esta segunda-feira à tarde, depois de a alegada líder da organização, uma ex-professora de Coimbra, ter negado de manhã participação ativa no esquema, a ex-bancária admitiu que falsificava relatórios médicos, alterando os dados de documentos originais emitidos por diversas entidades do Serviço Nacional de Saúde em nome de outras pessoas, recorrendo ao programa digital de desenho Paint.

De acordo com a arguida, a ex-professora ter-lhe-á facultado os documentos originais e pedido para lhes alterar o nome e data.

"Só tomei conhecimento da dimensão da situação depois de a PJ ter ido lá a casa", contou a ex-bancária, visivelmente nervosa mas cooperante, afirmando que apenas aceitou fazê-lo por "obrigações morais" à ex-professora, que a teria ajudado no passado.

Quanto a pagamentos, teria a receber dez euros por cada relatório médico falsificado. "Recebeu quanto? 5.000 euros?", questionou o juiz que preside o coletivo, ao qual a ex-bancária respondeu que "gostava" de ter recebido esse valor, mas que "nem 500 euros" recebeu da ex-professora - "apenas deu para pagar os tinteiros da impressora".

Apesar da cooperação e de se mostrar "bastante arrependida", a ex-bancária não deixou claro se sabia para que é que os relatórios falsos serviam, sublinhando que ficou "em estado de choque" quando se apercebeu dos valores cobrados pela facilitação na obtenção de pensões (normalmente valores superiores a 1.500 euros).

De acordo com a ex-bancária, apenas contactava com a ex-professora.

Já esta, que foi a primeira arguida a falar, admitiu que conhecia o médico de Pombal desde os anos 1980, mas recusou ter uma participação ativa em qualquer esquema de burlas na obtenção de pensões, negando ter-se reunido com o médico, com a ex-bancária e o seu ex-marido.

"As pessoas é que me contactavam. Eu não contactei ninguém", disse, levando a que outros arguidos se começassem a rir na sala de audiências e a mostrar discordância com tais declarações.

Contou que pessoas iam ter ao seu espaço comercial, em Coimbra, e a única coisa que faria seria facultar o contacto do médico, tendo acompanhado as pessoas numa ou noutra situação, vincando que terá recebido apenas "30, 40 ou 50 euros" das pessoas que acompanhou.

Quanto a dois cheques que terá recebido, um de 5.000 euros e outro de 7.000 euros, a arguida afirmou tratar-se de "empréstimos".

"Já os pagou", perguntou o juiz, que obteve resposta negativa nas duas situações.

O processo junta 30 arguidos, sendo que quatro são acusados de associação criminosa e 22 crimes de burla tributária na forma tentada, entre outros.

Vinte e um dos 30 arguidos são presumíveis clientes da organização criminosa.

Na terça-feira ainda não se irão começar a ouvir as 146 testemunhas do processo, visto que hoje não foram ouvidos todos os arguidos, num processo que se deve estender até março.