Um casal foi detido por suspeitas de burlar em centenas de milhares de euros diversas companhias de seguros, com a qual contratava seguros de vida, usando documentação falsa para acionar as respetivas indemnizações, anunciou hoje a Polícia Judiciária.

Fonte da PJ disse à agência Lusa que o homem, de 49 anos, e a esposa, de 35 anos, com residência em Mafra (distrito de Lisboa) e em Palmela (distrito de Lisboa), terão recebido várias indemnizações por invalidez permanente, cada uma na ordem dos 100 mil euros, conforme foi até agora apurado na investigação.

Usando a sua identidade ou identidades falsas, o casal é suspeito de ter celebrado, com várias companhias, contratos de seguros de vida, cujas apólices eram pagas com regularidade.

Com o objetivo de acionar as respetivas indemnizações por invalidez permanente, terá falsificado documentos, como relatórios hospitalares ou das forças de segurança, para comprovar a gravidade das falsas lesões.

Em alguns casos, o seguro foi acionado dois anos após ter sido efetuado.

Segundo a investigação, iniciada há vários meses, os detidos dedicar-se-iam a este tipo de crimes desde 2008.

O uso de identidades falsas tem dificultado a investigação, que não está ainda concluída, de acordo com a mesma fonte.

O casal é suspeito dos crimes de burla qualificada e falsificação de documentos.

Depois de presentes a primeiro interrogatório judicial, o homem, de nacionalidade estrangeira, ficou a aguardar julgamento em prisão preventiva, enquanto a mulher ficou sujeita a apresentações periódicas e à proibição de contactos, por o casal ter filhos menores.