Um porta-voz da transportadora aérea nacional (TAP) disse hoje à Lusa que os passageiros que pretendiam viajar para Bruxelas podem solicitar que o bilhete seja reemitido, mas para voarem para os aeroportos de países vizinhos.

Devido aos atentados de terça-feira em Bruxelas, em que morreram 34 pessoas e mais de 200 ficaram feridas, o Aeroporto de Bruxelas e o respetivo espaço aéreo mantêm-se hoje encerrados, pelo que a TAP informou que vai realizar um voo (às 12:50) entre Lisboa e o Luxemburgo, providenciando nesta cidade transporte rodoviário, para levar e trazer os passageiros de Bruxelas.

Há ainda a possibilidade de pedir a reemissão dos bilhetes para aeroportos de Paris, Amesterdão ou Frankfurt, além de Luxemburgo.

Em declarações à Lusa, André Serpa Soares afirmou que “essa reemissão é feita sem qualquer custo” e que “há total flexibilidade” por parte da empresa.

“É isso que estamos a transmitir aos nossos clientes e há já vários casos de pessoas que fizeram esta opção, pedem a reemissão de bilhetes e viajam para e a partir de aeroportos alternativos, uma vez que não é possível voar para Bruxelas”, disse.

Ou seja, sublinhou, “para já é oferecida esta possibilidade, de pessoas que tenham viagens até 31 de março e com bilhetes que tenham sido emitidos até ontem [terça-feira], podem pedir reemissão dos bilhetes para uma viagem a realizar até 30 de abril”.

No limite, o responsável admitiu que pode ser pedido o reembolso, embora “a empresa não tenha nenhuma obrigação de o fazer”.

“A TAP está a ter alguma flexibilidade para equacionar essa hipótese [de reembolso], mas não é aquela que é desejável”, frisou.

Segundo André Serpa Soares, a transportadora aérea nacional está a fazer “o que é possível”, salientando que “mesmo que quisesse fazer mais voos para aeroportos próximos de Bruxelas também todas as companhias o querem fazer. Não é tão fácil quanto se possa pensar”.

Houve duas explosões no aeroporto de Zaventem, em Bruxelas, na terça-feira, com um intervalo de vários segundos, cerca das 07:00 de Lisboa, na zona de venda de bilhetes da Brussels Airlines e American Airlines.

Aqui morreram 14 pessoas e outras cem ficaram feridas. Na estação de metropolitano de Maalbeek, a apenas 200 metros da sede da Comissão Europeia, uma terceira explosão, ocorrida cerca das 08:10, provocou a morte a pelo menos 20 pessoas e ferimentos. No total registaram-se mais de duas centenas de feridos.