A Polícia Militar prendeu, este domingo à noite, Vinicius Parizatto, condenado por ter obrigado dois jovens a saltar de um comboio em movimento em dezembro de 2003.

Vinicius, de 36 anos, que trabalhava como analista de sistemas, estava num carro com a namorada quando foi detido. De acordo com a polícia, ele voltava de uma igreja evangélica quando foi surpreendido pela polícia. Estava em fuga desde dezembro do ano passado.

De acordo com o advogado, Vinicius foi libertado em 2011 para aguardar o julgamento dos recursos, após cumprir dois anos e quatro meses de prisão. Em dezembro de 2017, o último recurso foi negado pela Justiça e Vinicius foi condenado a 31 anos, nove meses e três dias de prisão. Além dele, outros dois homens foram condenados pelo crime. 

O caso remonta a dezembro de 2003, Vinicius Parizzatto, Danilo Gimenez Ramos e Juliano Aparecido Freitas, integrantes de um grupo de skinheads, obrigaram Flávio Cordeiro, com 16 anos, e Cleiton Leite, de 20 anos, a saltar de um comboio em movimento porque os rapazes aparentavam ser punks, por causa do estilo da roupa que usavam e do cabelo.

De acordo com a denúncia feita pelo Ministério Público na época, os três acusados gritavam “ou pula, ou morre” para as vítimas. As agressões foram filmadas pelas câmaras de segurança da companhia de caminhos de ferro brasileiros, que registaram o desespero das vítimas.

Cleiton morreu durante a queda e Flávio perdeu o braço