O ex-presidente da Câmara de Braga, Mesquita Machado, manifestou-se de “consciência tranquila” em relação ao “Caso das Convertidas”, em que é arguido conjuntamente com os cinco vereadores socialistas do mandato anterior.

Em “post” publicado na sua página de Facebook esta quinta-feira, Mesquita Machado diz ainda lamentar que, com a anulação da expropriação do quarteirão das “Convertidas”, decidida pelo atual executivo, “Braga tenha perdido um excelente projeto”, que, acrescenta o antigo autarca, passava pela requalificação do quarteirão das "Convertidas", onde se ia construir um Centro da Juventude e instalar um museu de "sítio".

Mesquita Machado e os cinco vereadores do PS na Câmara de Braga no anterior executivo foram constituídos arguidos no "Caso das Convertidas”, indiciados pelos crimes de participação económica em negócio e prevaricação.

Em causa estará o alegado favorecimento da filha e do genro de Mesquita no processo de expropriação por utilidade pública de um conjunto de imóveis adjacentes à Casa das Convertidas. Um processo aprovado no anterior executivo apenas com os votos dos eleitos do PS.

Na quarta-feira, Mesquita Machado foi ouvido no DIAP de Braga, na qualidade de arguido no processo.

No “post” no Facebook, o ex-autarca lembra que, como decorre dos termos da lei, quem fixou o valor da expropriação foi o tribunal, “depois de uma avaliação feita por peritos, nomeados pelo próprio tribunal”.

Eu e todos os vereadores/vereadoras estamos de consciência tranquila e só lamentamos que Braga tenha perdido um excelente projeto”, sublinha.

Aquele que ficou conhecido como o "Caso das Convertidas" foi uma das medidas que mais polémica gerou no último ano de mandato de Mesquita Machado à frente da autarquia de Braga, com o Bloco de Esquerda a pedir mesmo a perda de mandato do autarca. Isto porque, além das referidas hipotecas, a sociedade pertencente a um genro de Mesquita Machado vendeu aqueles prédios a 30 de abril de 2013, quatro dias antes do executivo socialista aprovar a expropriação daquelas propriedades. A votação foi depois repetida, a 23 de maio, já sem a participação de Mesquita.

O projeto que levou à decisão de expropriar aquelas propriedades era o de requalificação do quarteirão das "Convertidas", que incluía a construção da Pousada da Juventude, do Centro Euro-Atlântico da Juventude, da Loja Europa e de um museu, no valor de três milhões de euros. A expropriação foi, entretanto, revogada pelo atual autarca bracarense Ricardo Rio (PSD/CDS-PP/PPM), uma revogação confirmada pelo tribunal em março de 2015.