O Regimento de Sapadores Bombeiros (RSB) de Lisboa deixou de estar no aeroporto a partir das 20:00 desta segunda-feira, e não a 30 de dezembro, como estava previsto, anunciou a Associação Nacional dos Bombeiros Profissionais (ANBP).

«O Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa deixa de fazer serviço hoje, dia 22, a partir das 20:00, no destacamento do aeroporto de Lisboa. Esta situação estava prevista para o dia 30 de dezembro, mas foi antecipada», refere um comunicado da ANBP enviado à Lusa.


A Lusa tentou perceber o motivo desta antecipação e contactou o RSB, que remeteu esclarecimentos para a Câmara de Lisboa. Contudo, até ao momento não foi possível obter explicações do gabinete do vereador da Proteção Civil, Carlos Castro.

O RSB marcou uma greve, entre as 20:00 de terça-feira e as 08:00 de sexta-feira, que abrangia também o destacamento do aeroporto.

Na nota divulgada, a ANBP recorda que «o sindicato não chegou a acordo para os serviços mínimos no aeroporto e que os mesmos foram definidos pelo Tribunal Arbitral, que reconheceu o direito à greve no aeroporto e definiu serviços mínimos para os mesmos».

«Com esta antecipação da saída do destacamento do RSB do aeroporto de Lisboa, deixa de ser necessário fazer greve no aeroporto», acrescenta.

Citando «fontes ligadas ao aeroporto», a ANBP diz que a antecipação da saída do RSB «trouxe vários problemas, um deles a falta de equipamentos de proteção individual para os novos bombeiros que vão prestar serviço contratados pela ANA e que vão ficar com os equipamentos que os sapadores de Lisboa estão a utilizar».

«Outra situação prende-se com o facto de ainda durante o dia de hoje existirem bombeiros da nova equipa a fazer a formação mínima exigida para exercer essa função», refere.

O contrato de prestação de serviço do RSB no aeroporto termina no final do ano e a autarquia decidiu não concorrer a um concurso público aberto pela ANA - Aeroportos de Portugal.

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, António Costa, afirmou em novembro que a autarquia não entrou no concurso público lançado pela ANA porque «não é uma empresa».

O destacamento do RSB, que presta serviço no aeroporto da capital há «mais de duas décadas», segundo a ANBP, ao abrigo de um contrato entre a ANA e o município, vai ser substituído a partir de janeiro de 2015 por uma empresa privada que venceu um concurso público, válido para os próximos oito anos.