O secretário de Estado da Administração Interna, João Almeida, disse esta sexta-feira que um dos helicópteros Kamov já está operacional para combater os incêndios florestais, estando estacionado em Santa Comba Dão.

“Neste momento já está concluído o processo de consignação da primeira das aeronaves, já não terá qualquer interrupção na sua disponibilidade ao longo de todo o dispositivo e as outras duas que estavam em processo de consignação seguir-se-ão”, disse aos jornalistas João Almeida, no final de um almoço/debate no Instituto Amaro da Costa.


Dos cinco helicópteros Kamov, dois estão em reparação e os restantes envolvidos no processo de transferência para a empresa Everjets, que ganhou o concurso público de operação e manutenção dos aparelhos para os próximos quatro anos.

O secretário de Estado adiantou que, neste momento, um helicóptero pesado está operacional até ao fim da época de incêndios e “proximamente” estarão os outros dois.

João Almeida escusou-se a avançar com uma data para os outros dois Kamov estarem operacionais, explicando que o processo de consignação “depende das questões que vão sendo identificadas” durante a mudança de operador.

“Estas aeronaves estão em condições de voar”, garantiu, sublinhando que se trata de um “processo administrativo de consignar os helicópteros à nova entidade que tem a operação de manutenção”.

O secretário de Estado adiantou que, neste momento, estão também operacionais dois aviões bombardeios médios, meios contratados pelo Estado e que “asseguram a capacidade para esta altura do dispositivo” de combate a incêndios.

Segundo João Almeida, o helicóptero Kamov está com base em Santa Comba Dão e os dois bombardeios médios estão em Viseu.

Na semana passada, a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) avançou à Lusa que os cinco helicópteros pesados, utilizados no combate aos incêndios florestais, estavam parados devido ao processo de transferência para a empresa Everjets, justificando que há questões processuais e administrativas que inviabilizam a operação das aeronaves.

Na ocasião, João Almeida esclareceu que a frota Kamov estava em condições de voar, embora estivesse "efetivamente em processo de consignação, que tem alguns constrangimentos mas que não impede o empenho operacional das aeronaves caso seja necessário”.

Sobre os dois Kamov em reparação, o secretário de Estado afirmou que estão substituídos no dispositivo por outros quatro ligeiros, mas garantiu que vão estar aptos para o início da fase charlie, época crítica em incêndios florestais, que começa a 1 de julho.