O incêndio que deflagrou no concelho de Soure, em Coimbra, e que chegou a ter três frentes ativas, já foi dominado, disse à agência Lusa o presidente do município.

O incêndio foi considerado dominado às 09:30", afirmou o presidente da Câmara de Soure, Mário Jorge Nunes, referindo que se avançou "bastante no combate de manhã, com a ajuda dos meios aéreos".

O fogo, que chegou a circundar a localidade de Degracias, progrediu durante a noite para sul, "em direção ao concelho de Ansião", tendo "chegado perto de duas outras localidades", mas sem colocar habitações em perigo, explanou.

Os trabalhos de rescaldo devem agora durar o dia todo, acrescentou.

O incêndio em Soure começou na freguesia de Tapéus, por volta das 15:30 de segunda-feira, tendo-se repartido em três frentes ativas, numa diferença de cinco quilómetros entre as mesmas.

Segundo fonte Comando Distrital de Operações de Socorro de Coimbra, no terreno estavam, às 09:45, 443 operacionais e 135 veículos, sendo que alguns dos meios deverão ser desmobilizados.

Também o incêndio em Vila Verde, Braga, encontra-se em fase de conclusão, segundo a página da Autoridade Nacional da Proteção Civil.

Incêndio em Boticas em fase de resolução e o de Caranguejeira em rescaldo

O incêndio em Boticas, que se chegou a aproximar da aldeia de Torneiros, entrou esta madrugada em fase de resolução, e o de Caranguejeira, concelho de Leiria, está já em rescaldo segundo a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).

A controlar as chamas de Boticas, que deflagraram na freguesia de Codessoso, Curros e Fiães do Tâmega, distrito de Vila Real, estavam ainda, pelas 03:00, 109 operacionais, apoiados por 33 veículos, de acordo com a ANPC.

Ao início da noite de segunda-feira, o presidente da autarquia indicou à Lusa que o fogo, que começou junto à estrada que liga Boticas a Ribeira de Pena, teve origem em quatro focos espalhados ao longo da estrada, uma situação que o levou a acreditar que se tratou de uma situação "de fogo posto" e de "origem criminosa".

A população de Fonte Fria, aldeia da freguesia da Caranguejeira no concelho de Leiria que na noite de segunda-feira foi evacuada, já regressou a casa, disse o segundo comandante do Comando Distrital de Operações de Socorro à agência Lusa.

O segundo comandante Luís Lopes adiantou que, pelas 09:40, tudo estava "normalizado", mas os meios continuam no terreno para evitar reacendimentos.

Temos 274 operacionais, 71 meios terrestres, um meio aéreo e duas máquinas de rasto no local. O incêndio está dominado, estamos em fase de rescaldo, mas a partir das 10:00 a temperatura sobe e a humidade desce. Não podemos esquecer que o nosso distrito está em alerta laranja", alertou Luís Lopes.

O incêndio, que chegou a ameaçar uma escola e um infantário na Caranguejeira, deflagrou pelas 16:45 de segunda-feira na freguesia de Colmeias, onde colocou em risco casas e pecuárias, segundo disse o presidente da União de Freguesias de Colmeias e Memória, Artur Santos, à Lusa.

O fogo passou para a freguesia vizinha e chegou a ter "três frentes ativas" e uma "extensão considerável", como referiu o comandante do CDOS, Sérgio Gomes.

Pelas 03:00 de hoje, a Autoridade Nacional de Proteção Civil informava que o incêndio tinha entrado em rescaldo