O presidente da Federação Distrital dos Bombeiros de Bragança, Diamantino Lopes, denunciou esta quarta-feira que há corporações com dificuldade em pagar salários devido a uma dívida de «600 mil euros» da Unidade Local de Saúde do Nordeste (ULSNE).

O dirigente afirmou à Lusa que a entidade responsável pela Saúde no Nordeste Transmontano «deve quase todo o ano de 2013, exceto janeiro» do transporte de doentes efetuado pelas 15 corporações da região.

Contactada pela Lusa, a ULS do Nordeste confirmou, por escrito a existência da dívida, mas indica que o valor é de «489 mil euros» e que está a ser liquidada junto com os valores mensais devidos, sendo que o último mês pago aos bombeiros foi o de janeiro de 2013.

O presidente da federação realçou que o transporte de doentes do Serviço Nacional de Saúde é uma «receita prioritária» para as corporações e que devido ao atraso de «meio ano» nos pagamentos «há funcionários que, nalguns casos, não recebem (salários) a tempo e horas».

O dirigente lembrou ainda que «nos dois últimos anos houve uma forte redução do transporte de doentes», devido aos cortes na saúde, que, associada ao atraso nos pagamentos, está a causar constrangimentos financeiros aos bombeiros.

As corporações têm, segundo Diamantino Lopes, registado «um aumento significativo de serviços prestados a particulares, sobretudo pessoas idosas que, como o Serviço Nacional de Saúde não paga [o transporte de doentes] recorrem aos bombeiros», pagando do seu bolso.

Ainda assim, esta «nova» receita não compensa as perdas e o valor da dívida dos serviços prestados à ULS do Nordeste, acrescentou.

O presidente da federação acusou ainda a ULSNE de não responder a pedidos de reuniões solicitados pelos bombeiros.

A unidade local de saúde esclareceu, na resposta enviada à Lusa, que «o valor em dívida está a ser pago todos os meses, sem exceção», explicando que «o pagamento mensal efetuado a cada corporação corresponde não apenas à faturação desse mês, mas acrescido de uma verba de amortização da dívida».

Aquela entidade garante que «foi efetuada, na semana passada, a transferência relativa ao mês de agosto, no valor de 206 mil euros, uma quantia que corresponde à faturação do mês de janeiro de 2013 e à amortização da dívida global».

A ULSNE garantiu ainda que «tem feito e continuará a fazer todos os esforços com vista à regularização, no mais curto espaço de tempo, da sua situação financeira» e que mantém «quer o diálogo, quer a estrita observância dos consensos estabelecidos com esse objetivo».

«As corporações de bombeiros desempenham um papel fundamental, nomeadamente ao nível do transporte de doentes, pelo que constituem uma prioridade para a ULSNE no que respeita ao pagamento devido pelos serviços prestados», refere à Lusa.