O Programa + Superior recebeu este ano 2.308 candidaturas de estudantes que pretendem frequentar instituições no interior do país, o dobro das bolsas disponíveis, segundo dados do Ministério da Educação.

Fonte do ministério disse hoje à agência Lusa que este ano letivo (2015-16) há 1.020 bolsas para atribuir.

São também renovadas as bolsas de mobilidade atribuídas no ano transato, num valor global que ronda um milhão e meio de euros.

De acordo com dados da Direção Geral do Ensino Superior (DGES), em 2014-2015 foram atribuídas 1.001 bolsas, ficando de fora 362 candidatos.

O programa estreou-se no ano passado, tendo em vista atrair alunos para regiões do país mais despovoadas e consiste na atribuição de uma bolsa de 1.500 euros anuais.

Estão abrangidas universidades e institutos politécnicos.

“Reconhece-se, assim, o contributo crucial destas instituições no desenvolvimento regional do país, incentivando a fixação de mão-de-obra qualificada”, afirma em comunicado o Ministério da Educação e Ciência.

Os candidatos são selecionados pela ordem decrescente da nota de candidatura.

Terminado também o prazo de candidatura ao programa Retomar, destinado a combater o abandono, o MEC informou ter recebido 455 candidaturas de pessoas que deixaram de estudar e pretendem voltar ao percurso académico.

São elegíveis para este programa de financiamento jovens com menos de 30 anos que tenham saído do sistema educativo e formativo e que estejam desempregados há mais de quatro meses.

A bolsa a atribuir tem o valor de 1.200 euros anuais. Acrescidos de 300 euros pagos à instituição de ensino para concretizar um plano de acompanhamento do aluno.