O bispo da diocese de Bragança-Miranda revelou hoje que há cada vez mais pessoas a recorrerem à ajuda da Igreja Católica para se libertarem do mal e das suas dependências através do sacramental do exorcismo.

"Há muitas pessoas que nos procuram a pedir ajuda e eu espero que haja mais tempo disponível para responder a estas necessidades. Este tipo de acompanhamento precisa de muita escuta e muita atenção. As pessoas com o ritmo de vida atual querem respostas imediatas, mas este processo requer fé e tempo", vincou José Cordeiro.

Em entrevista à Lusa, o prelado alerta, porém, que são necessárias muitas manifestações tidas como anormais para se optar por recorrer à celebração do exorcismo.

"Quando aparece alguém a falar línguas para as quais nunca teve formação, ou entender línguas para as quais nunca estudou ou com que não conviveu. Pessoas que fazem coisas superiores à sua idade e às suas forças ou realizam algo que ultrapassa a sua capacidade física e que reagem drasticamente diante de um crucifixo ou imagens de santos, estes são alguns dos sinais que nos dão alguns alertas para se ponderar e discernir realizar o exorcismo", exemplificou o responsável.

O bispo alerta que este tipo de sacramental só deve ser efetuado por licença expressa do Bispo diocesano e por sacerdotes a quem seja reconhecida "a sua piedade, ciência, prudência e a sua integridade de vida".

"Não se deve recorrer de imediato ao exorcismo. Deve-se tentar procurar um grupo interdisciplinar, composto por médicos, psicólogos, psiquiatras, sacerdotes, entre outras pessoas que acompanhem estas situações para se perceber onde tudo começou", adiantou o bispo diocesano.

José Cordeiro refere que há muitas pessoas que diante deste "mistério do mal" recorrem “à magia, aos cartomantes ou outras pessoas e outras dimensões que fazem destas questões um negócio".

"Estas situações de magia não libertam, ainda aprisionam mais as pessoas, já que as tornam dependentes e reféns da cura que procuram", alertou.

A oração e o rito do exorcismo é uma resposta para os crentes no sentido "de interceder junto de Deus pelo bem e pela cura e dar um novo sentido à vida da pessoa em causa, sabendo que não há salvação em nenhum outro, a não ser em Jesus Cristo".

"Da minha própria experiência pastoral, há pessoas que vêm à procura de um exorcismo, e após vários encontros, num ambiente crente e de oração, acabam por se sentir libertas por que foram ouvidas e se sentem amadas e sem necessidade de recurso ao exorcismo maior", frisou.

Para o bispo diocesano, os padres e os agentes pastorais terão de estar mais disponíveis para escutar e para a celebração do exorcismo ou para o acompanhamento espiritual das pessoas.

"Nesta reorganização feita na diocese temos tido isso em conta", enfatizou José Cordeiro.

Daí que, adiantou, será reavaliado, a breve prazo, um serviço de acompanhamento interdisciplinar na diocese de Bragança - Miranda, que trata deste tipo de casos, juntando profissionais de diversas áreas científicas e da medicina, à semelhança de outros exemplos espalhados pelo país.

José Cordeiro lembra que o exorcismo é uma celebração litúrgica, pelo que para não cair na "banalização" ou em qualquer tipo "de comercialização" tudo terá de passar pela decisão do bispo de cada diocese.