A peregrinação de 12 e 13 de agosto em Fátima «é para alimentar a esperança e não a ilusão da emigração», disse esta sexta-feira, à Lusa o bispo Vitalino Dantas, da Comissão Episcopal da Pastoral Social e da Mobilidade Humana.

«A verdade é que é cada vez mais difícil ter sucesso na procura de emprego na Europa», alertou o prelado, vogal da comissão episcopal da Igreja Católica e responsável por áreas como as da emigração e imigração, antecipando as celebrações no Santuário de Fátima que integram a Peregrinação do Migrante.

«Há com certeza possibilidades noutros países, mas temos que nos informar bem antes de sair de Portugal para não se trocar um problema pelo outro», sublinhou, acrescentando que «sobretudo os emigrantes menos qualificados são confrontados com o subemprego, a precariedade ou o regresso a casa».

Vitalino Dantas adiantou que tem sido a solidariedade e o apoio das missões ligadas à Igreja Católica que em muitos casos têm valido aos portugueses que emigram porque «o nosso país não tem tido grande desenvolvimento e vive atualmente uma recessão económica».

O bispo salientou ainda que «era importante que o Estado [português] investisse mais em acordos para assegurar o Ensino de Português no Estrangeiro, como forma de contribuir para a estabilidade das famílias», notando que «por falta de dinheiro tem-se desinvestido em países como a Suíça, Alemanha e Inglaterra».

O bispo de Beja lembrou ainda a necessidade «de sensibilizar para os problemas com que os imigrantes se debatem» atualmente, «que cada vez mais são confrontados com o desemprego ou com o trabalho precário», frisando que «se os portugueses querem ser bem acolhidos têm que dar o exemplo e estar atentos aos problemas dos outros».

A partir de domingo e até ao dia 18 de agosto, a Obra Católica Portuguesa das Migrações (OCPM), organismo da Comissão Episcopal da Pastoral Social e Mobilidade Humana, leva a efeito a 41.ª Semana Nacional das Migrações, este ano com o lema «Migrações Peregrinação de Fé e Esperança».

Para além do ponto alto, nos dias 12 e 13 na Cova de Iria, com a Peregrinação do Migrante, destaque para o dia 18, quando se realiza uma jornada de solidariedade, num domingo em que todos os ofertórios que se realizam a nível nacional nas Eucaristias revertem a favor da Pastoral da Mobilidade Humana.

Uma das responsáveis pelo secretariado da OCPM, Eugénia Quaresma, disse à Lusa que durante a peregrinação a mensagem irá focar-se numa «visão positiva sobre as migrações, em olhar para os migrantes como protagonistas da evangelização num tempo em que tanto se fala de crise».

Outra ideia, acrescentou, «tem a ver com a sensibilização das diversas estruturas eclesiais para o acolhimento, para o diálogo e cooperação».

A peregrinação internacional de agosto, nos dias 12 e 13, é presidida pelo arcebispo do Luxemburgo, Jean-Claude Hollerich e tem como tema «Mostrai-nos o Vosso rosto».