A polícia britânica afirmou, nesta sexta-feira, continuar a investigar a morte de uma família portuguesa, cuja mulher foi encontrada em casa esfaqueada e o marido e dois filhos mortos no fundo de uma falésia.

As autópsias aos quatro foram concluídas na quinta-feira, tendo a causa da morte da mulher de mulher de 47 anos sido confirmada como "múltiplas facadas", indicou a Polícia Metropolitana.

Já o homem de 57 anos e as crianças, de sete e dez anos, a autópsia identificou a causa da morte "lesões múltiplas consistentes com a queda de altura".

Tratar-se-á de homicídio seguido de suicídio.

Apesar de as autoridades não terem identificado as vítimas, fonte do gabinete do secretário de Estado das Comunidades Portuguesas adiantou que o homem e os dois filhos tinham nacionalidade portuguesa, mas que a mulher não é de origem portuguesa.

A polícia está a tratar a morte da mulher como um homicídio após ter sido encontrada morta na própria casa em Twickenham, perto de Londres, com lesões de arma branca, em 5 de março.

O alerta para o bem-estar dos ocupantes da residência foi dado pelas 17:54 horas, tendo a polícia iniciado diligências urgentes para encontrar o marido e dois filhos após encontrar a mulher morta.

Pouco antes das 17:00 horas, a polícia do condado de Sussex descobriu os corpos de um homem e dois menores a 140 quilómetros de distância, em Birling Gap, uma área à beira-mar, perto de Eastbourne, no sul de Inglaterra.

Mesmo sem ter identificação formal, a polícia suspeitou imediatamente que seriam a família imediata da mulher morta, tendo recuperado um automóvel perto do local.

Birling Gap, área conhecido pelas falésias brancas de calcário, é frequentada por turistas e também cenário frequente de suicídios.

A polícia reiterou hoje que não fez qualquer detenção relacionada com o caso nem que procura qualquer suspeito relacionado com as mortes.