O navio  “Betanzos” que se encontra encalhado desde a passada terça-feira no Bugio tem a bordo do navio estão 130 toneladas de combustível e 20 toneladas de resíduos oleosos.  Segundo o porta-voz da Autoridade Marítima Nacional, Fernando Pereira da Fonseca, apesar do mau tempo, o risco de derrame,existe, mas é baixo, não havendo danos estruturais na embarcação.

As operações de desencalhe no navio espanhol ao largo do Bugio, na foz do Tejo, foram retomadas cerca das 9:00 desta segunda-feira, disse à Lusa o porta-voz da Autoridade Marítima Nacional, Fernando Pereira da Fonseca.

“As operações irão começar cerca das 09:00. Seis elementos da empresa Smit que vai colocar os cabos a bordo […] e quatro elementos da tripulação do navio vão chegar cerca das 08:30 à Base Aérea do Montijo e depois será empenhado um helicóptero da Força Aérea para os levar a bordo do navio”, explicou o porta-voz .

De acordo com o Fernando Pereira da Fonseca, esta ação será coordenada pelo capitão do Porto de Lisboa, em articulação com o Centro de Operações Marítimas (COMAR).

“Depois, a partir do navio vão começar os trabalhos de preparação para receber o cabo do reboque do rebocador”, disse.

No que diz respeito à agitação marítima, o comandante indicou que o estado do mar melhorou, mas a ondulação “ainda tem muita energia”.

“É uma situação que vai sendo avaliada”, disse.

O navio de bandeira espanhola "Betanzos", com 10 tripulantes a bordo, encalhou na madrugada de terça-feira, cerca das 01:00, à saída da barra de Lisboa, após uma falha total de energia e da tentativa de fundear.

As tentativas de desencalhe realizadas logo na terça-feira e desde então foram infrutíferas.

A operação de resgate da tripulação do navio encalhado junto ao Bugio, na foz do rio Tejo, foi concluída durante a tarde de quinta-feira, por um helicóptero da Força Aérea Portuguesa.

Os 14 elementos retirados - 10 da tripulação e quatro elementos técnicos - foram resgatados por um helicóptero da Força Aérea Portuguesa.