O Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, disse esta sexta-feira que a morte de Afonso Tiago «é uma notícia muito triste», expressando as suas condolências aos familiares do investigador português.

«Fui informado, hoje de manhã, que o corpo tinha sido encontrado. É uma notícia muito triste e não posso fazer outra coisa a não ser expressar as minhas condolências aos familiares», afirmou Cavaco Silva, em declarações aos jornalistas num hotel em Osnabrück, na Alemanha.

O Chefe de Estado sublinhou ainda que a sua Casa Civil já tinha entrado em contacto com o irmão de Afonso Tiago.

Segundo disse, esta sexta-feira ao início da tarde, à agência Lusa, a secretária-geral da Rede Judiciária Europeia, o corpo de Afonso Tiago foi encontrado pela polícia berlinense no Rio Spree.

«O corpo do Afonso vai ser autopsiado em Berlim para se chegar a conclusões sobre o que aconteceu», acrescentou a procuradora Adélia Martins, sublinhando que «ainda se desconhecem as causas» e «se se tratou de um acidente ou de um crime».

O seu desaparecimento deu origem a uma onda de solidariedade de amigos e familiares, alguns residentes em Portugal, nomeadamente na sua terra natal, Oliveira de Azeméis, que espalharam pela cidade cartazes com a sua foto.

Na quarta-feira, o próprio Presidente da República falou sobre o caso, durante a sua visita à Alemanha, dizendo que as autoridades alemãs incluíam o caso do desaparecimento de Afonso Tiago na categoria de casos que designam como «bruxedo», ou seja, algo «que não conseguem explicar».

Afonso Tiago estava na capital alemã há seis meses como investigador na Active Space Technologies, quando saiu com um grupo de amigos dos quais se separou já na madrugada do dia 10, dizendo que ia para casa, onde nunca chegou e não voltou a ser visto desde então.