Uma menor de 16 anos foi «levada» no sábado, pela mãe, do hospital de Viana do Castelo «sem alta hospitalar e abandonando o filho recém-nascido», disse esta terça-feira à Lusa a diretora do serviço de obstetrícia.

De acordo com Paula Pinheiro, o bebé, do sexo masculino, nasceu na madrugada de quinta-feira passada.

A responsável explicou que a jovem mãe «foi sinalizada pelos serviços sociais assim que deu entrada no hospital».

«O caso foi comunicado à Comissão de Proteção de Crianças e Jovens em risco (CPCJ) de Viana do Castelo e foi retardada a alta hospitalar para que a situação fosse apurada», adiantou.

Sábado, a avó do recém-nascido, «apercebendo-se» da dificuldade em obter a autorização médica «levou a filha, abandonando o bebé em cima da cama do quarto» pouco depois de «lhe terem dado banho».

«Estiveram as duas a dar banho ao bebé. Aproveitaram o curto espaço de tempo em que a enfermeira se ausentou para desaparecer. Quando a enfermeira regressou para dar apoio para vestir o bebé, já não estavam no quarto», explicou.

De acordo com Paula Pinheiro, ambas «fizeram várias perguntas às enfermeiras sobre a pulseira eletrónica colocada no recém-nascido».

A responsável suspeita que a «intenção inicial não seria abandonar o recém- nascido mas as informações que receberam das enfermeiras sobre o alarme que a pulseira do recém-nascido acionaria, caso passassem a porta do serviço de obstetrícia, acabou por levar a essa situação por receio de serem detetadas».

O caso foi de «imediato» comunicado à PSP e por «ordem judicial» o recém-nascido «foi hoje entregue ao Berço, Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) que acolhe bebés e crianças em risco».