A Direção-Geral da Saúde (DGS) referiu que está a analisar a possibilidade de utilização de outra vacina contra a tuberculose (BCG), tendo em conta que a atual está indisponível nos hospitais e centros de saúde desde maio.

“A Direção-Geral da Saúde, em colaboração com o INFARMED e com o apoio da Comissão Técnica de Vacinação, está a analisar a possibilidade de utilização de outra vacina BCG”, refere a DGS, num comunicado publicado na página da internet.


Segundo a DGS, a única vacina BCG que está autorizada em Portugal, e na maioria dos países europeus, é produzida por um laboratório público da Dinamarca, mas, nos últimos anos, “o fornecimento da vacina tem sofrido interrupções imprevistas e de duração variável”, de acordo com a Lusa.

A Direção-Geral da Saúde adianta que esta vacina tem um prazo de validade mais curto do que as outras vacinas do Plano Nacional de Vacinação, não permitindo armazenamento a longo prazo.

“Apesar destes constrangimentos, as coberturas vacinais têm-se mantido elevadas”, refere, sublinhando que a vacina BCG “não está disponível nos hospitais e centros de saúde desde maio”.


A DGS garante que situação “não constitui um risco para a saúde pública, pois a prevenção e o controlo da tuberculose baseia-se em várias medidas, além da vacinação dos recém-nascidos”.

No comunicado, a DGS adianta que os pais dos bebés ainda não vacinados serão contactados pelo respetivo centro de saúde aquando do restabelecimento do fornecimento da vacina.