Os advogados escolhem na sexta-feira o bastonário para o triénio 2014-2016, no ato eleitoral mais concorrido de sempre, com seis candidatos à sucessão de Marinho e Pinto, que defendem em comum uma renovação da Ordem.

Raposo Subtil, Vasco Marques Correia, Jorge Neto, Elina Fraga, Jerónimo Martins e Guilherme Figueiredo submetem-se ao sufrágio de um universo eleitoral de 28.619 votantes (os estatutos obrigam à votação), dados da Ordem dos Advogados (OA) em 18 de novembro.

Elina Fraga é a candidata apoiada oficialmente por Marinho e Pinto, bastonário desde 2007, mas a atual vice-presidente do Conselho Geral da OA esteve na iminência de não poder candidatar-se.

Em julho deste ano, já depois de Elina Fraga ter anunciado a candidatura, o Conselho Superior aplicou duas penas disciplinares à advogada, uma de advertência e outra de censura.

A pena de censura punha em causa a candidatura, uma vez que os estatutos proíbem um advogado candidatar-se a cargos na OA com uma sanção disciplinar superior à advertência.

A advogada intentou uma providência cautelar no Tribunal Administrativo, para suspender os efeitos da decisão do Conselho Superior, que foi decretada.

Raposo Subtil é um antigo presidente e vice-presidente do Conselho Distrital de Lisboa da OA, enquanto Jorge Neto, deputado na Assembleia da República de 1999 a 2009, pela primeira vez nestas andanças, estreia-se como candidato a figura máxima dos advogados.

Jorge Neto foi o primeiro advogado a anunciar a candidatura, no final do ano passado.

Vasco Marques Correia é o atual presidente do Conselho Distrital de Lisboa e Jerónimo Martins integrou a lista de Marinho e Pinto, eleita para um primeiro mandato com maioria absoluta.

As eleições para o bastonário, conselho geral, conselho superior, conselhos distritais e conselhos distritais dedDeontologia e membros dos advogados para a direção da Caixa de Previdência dos Advogados e Solicitadores decorrerá das 10:00 às 19:00.

O novo bastonário será eleito sem ser necessário a maioria qualificada (o que poderia levar a uma segunda volta), uma vez que a nova lei de associações públicas profissionais não foi ainda regulamentada.

Os resultados provisórios só deverão ser conhecidos no início da madrugada de sábado, segundo a Lusa.

A eleição do conselho de deontologia da Madeira realiza-se a 10 de janeiro, uma vez que nenhuma lista se apresentou no ato eleitoral de sexta-feira.