O presumível homicida do segurança da discoteca Barrio Latino, em Lisboa, entregou-se às autoridades ao final da tarde deste sábado, antes das 18:00. Trata-se de um jovem de 17 anos que estava ao início da noite a prestar declarações na Polícia Judiciária.

A TVI24 falou com o colega que socorreu Nuno Cardoso e que contou que o jovem foi ao carro buscar a arma, chegou a apontá-la para este segurança que se dirigiu à PJ para fazer o reconhecimento do suspeito e que, depois, baleou o outro segurança.

segurança Nuno Cardoso foi morto a tiro, com um tiro na cabeça, na sexta-feira, no final do turno à porta da discoteca. O alegado homicida fugiu a pé pela linha do comboio.

O indivíduo era frequentador do espaço noturno, na zona portuária de Santos, na capital, e tinha sido expulso da discoteca depois de desacatos no interior.

O jovem foi detido e será ouvido depois ouvido pelo Ministério Público e pelo juiz de instrução criminal, para aplicação da medida de coação.

Nuno Cardoso tinha 42 anos, ainda foi transportado para o Hospital de S. José, mas acabou por morrer.

A Câmara de Lisboa decidiu, entretanto, restringir o horário da discoteca, na sequência do pedido da Polícia de Segurança Pública (PSP) e de se terem constatado irregularidades.